Apresentação   |    Estatuto editorial   |    Conteúdos na mão   |    Correspondentes   |    Publicidade   |    Contactos   |    Newsletter
Entrar   |    Registe-se   |    Ajuda
Aveiro, Portugal
Domingo, 22 Julho 2018
18 ºC
Pouco nublado
Siga-nos!    Siga-nos!    Mypub gestor online publicidade
Onde Estou? Página Inicial » Actualidade » Noticiário
Pesquisar
UA: Renegeração óssea para fins médicos
07 jul 2018, 09:02

A Universidade de Aveiro (UA) tem investigadores a trabalhar no fabrico de substitutos ósseos sintéticos.

O projeto 2BBone está a cargo de uma equipa multidisciplinar de especialistas em fabrico e caracterização química, funcional e biológica de biomateriais e em tratamento de cancro, com liderança do Centro de Investigação em Materiais Cerâmicos e Compósitos (CICECO) e participação do Instituto de Engenharia Biomédica (INEB/I3S).

O tratamento de defeitos ósseos resultantes de remoções cirúrgicas de tumores cancerígenos ou outras infeções ósseas recorre cada vez mais ao uso de substitutos biocompatíveis produzidos por técnicas de engenharia de tecidos e fabricação aditiva.

Os investigadores trabalham em várias frentes: desenvolvimento de materiais à base de fosfatos de cálcio com capacidade regenerativa melhorada, fabrico de bio-componentes com capacidade hipertérmica por manufaturação aditiva, encapsulamento de biomoléculas e fármacos, estudos de libertação de fármacos e avaliação in vitro dos bio-componentes multifuncionais obtidos.

O projeto "2BBone: Desenvolvimento de biomateriais não sinterizáveis à base de fosfatos de cálcio com bi-funcionalidade: regeneração e tratamento de cancro ósseo" conta com o apoio do COMPETE 2020 no âmbito do SAICT - Sistema de Apoio à Investigação Científica e Tecnológica, envolvendo um investimento elegível de 237 mil euros, o que resultou num incentivo FEDER de 201 mil euros.

"O fabrico de substitutos ósseos sintéticos que possam ter, em simultâneo, funções de regeneração de defeitos induzidos por tumor ósseo e tratamento terapêutico tem uma forte componente experimental, envolvendo custos elevados", referiu Susana Olhero, responsável da equipa citada na newsletter do COMPETE 2020 dedicada a projetos de ciência (ler artigo completo).


Tags:
Notícias Relaccionadas
Classifique esta notícia:  Sem classificação
  Comentar Artigo   Imprimir Artigo   Enviar Artigo   Partilhar Artigo
0 Comentário(s)
Galerias Relacionadas:
  0 video(s)
  0 som(s)
  0 documentos(s)
Outras Informações:
Visualizações: 314
Tamanho do texto: A- A+

Últimos Vídeos
Mais comentadas
Mais lidas
Inquérito »