Apresentação   |    Estatuto editorial   |    Conteúdos na mão   |    Correspondentes   |    Publicidade   |    Contactos   |    Newsletter
Entrar   |    Registe-se   |    Ajuda
Aveiro, Portugal
Segunda-Feira, 29 Maio 2017
17 ºC
Pouco nublado
Siga-nos!    Siga-nos!    Mypub gestor online publicidade
Onde Estou? Página Inicial » Actualidade » Noticiário
Pesquisar
PSD satisfaz todas as exigências do PS para aprovar contrato de gestão do estádio
21 jul 2011, 01:43

PSD aceitou condições colocadas pelo PS para aprovar contrato de gestão do estádio, proposta que também mereceu apoio dos restantes partidos com excepção do Bloco (c/áudio).

Na Assembleia Municipal (AM) extraordinária, esta quarta-feira à noite, com muito público, a bancada laranja, através de Manuel António Coimbra, começou por anunciar que o Beira-Mar espera, em Setembro, acertar as contas do negócio das piscinas, liquidando cerca de 1,2 milhões de euros.  

Ainda segundo o porta-voz do PSD, nada impedia que o Plano de Saneamento Financeiro (PSF) fosse alterado para retirar a concessão do estádio por 65 milhões de euros, tendo avançado, formalmente com uma proposta à Câmara para a AM ser chamada “de imediato” a desencadear o processo de revisão do documento, o que iria satisfazer uma exigência do PS.

O PSD considerava, contudo, que “não fará sentido” aguardar a revisão e “só depois” celebrar o contrato com o Beira-Mar.

Dada a necessidade de submeter o PSF ao Tribunal de Contas, seria garantida “automaticamente” a pretensão socialista de obter o visto daquela entidade fiscalizadora.

PCP sugere lançar concessão com contrato de gestão

António Salavessa, do PCP, reafirmou a necessidade de acautelar “contrapartidas” em função de objectivos e resultados, subscrevendo, ainda, o reparo da vereadora Ana Vitória Neves, que esteve contra a proposta de contrato, de serem observadas as contas deste ano da  empresa do estádio municipal.

Na perspectiva do eleito comunista, a entrega da gestão “inviabiliza” a concessão se não estiver previsto no contrato, propondo que a Câmara abra um concurso para saber se “há alguém interessado” em pagar os 65 milhões de euros durante 10 anos, ainda que dando preferência ao Beira-Mar.  “A ilegalidade fica superada”, referiu.
 
Nelson Peralta, pelo Bloco, foi o mais crítico, acusando o PSD de querer lançar “uma OPA aos vereadores da oposição e fintar o PSF”.

O vogal estranhou a tomada de “decisões de urgência” desde que apareceu em Aveiro o pretenso investidor no Beira-Mar, aludindo à desafectação de terrenos na zona do estádio para equipamentos comerciais e agora a cedência do estádio.

“Tem uma via verde”, ironizou, temendo “negócios privados com decisões públicas”. Por isso, o Bloco, não sendo contra a gestão do Beira-Mar, renda ou concessão “não aceita o contrato nestes moldes”.

A abertura do Beira-Mar para acordar uma conciliação com a Câmara no diferendo das piscinas agradou a Paulo Marques, do CDS, que também subscreveu a sugestão do PCP para se avaliar se existirá resposta a uma concessão.

PS não aceita mais promessas

De “sobreaviso” com o desfecho do negócio das piscinas, Gonçalo Fonseca, do PS, não aceitou como base de entendimento “promessas” de resolução do processo em tribunal em que a Câmara reclama o dinheiro ou a posse dos terrenos.

O porta-voz socialista invocou, ainda, a falta de resposta a uma pergunta várias vezes colocadas, sobre o valor das responsabilidades financeiras reclamadas por ambas as partes por sucessivos protocolos, bem como “todas as contas de custos e receitas” do contrato. “Não votamos contra um novo cheque em branco”, avisou.

Gonçalo Fonseca não aceitou, ainda, “reduzir tudo a uma questão do PSF há dois anos por rever”, considerando “fundamental que seja iniciativa” da Câmara apresentar e votar o novo contrato, remetendo-o depois à AM. “Não podemos confiar em processos de intenção com o histórico da Câmara”, explicou.

Ânimos exaltados entre o público

Logo após o final do debate, quando a mesa juntava os líderes das bancadas para conferenciar, os ânimos exaltaram-se.

Numa ponta do espaço reservado ao público, elementos da direcção do Beira-Mar insurgiram-se verbalmente contra eleitos do PS, devido às reservas colocadas ao contrato.  Do lado oposto, o presidente da Junta de Nariz (PSD) travou-se de razões com Miguel Fernandes.

Dois agentes da PSP foram mobilizados para o edifício da antiga capitania sem se ter descortinado a pedido de quem.

PSD acaba por ir ao encontro do PS e obriga presidente a corrigir versão inicial

A troca de argumentos entre as bancadas prosseguiu fora dos olhares e ouvidos durante mais de uma hora na busca de um consenso político.

No final da conferência de líderes em que tomaram parte ainda membros do executivo, o PSD acabou por ajustar a proposta de recomendação e assumir compromissos mais concretos, indo ao encontro das exigências do PS, o que deverá valer a aprovação no executivo, assm como de reparos dos vereadores eleitos pela maioria entretanto proscritos.

CDS e PCP também subscreveram os quatro pontos que registaram apenas os votos contra dos dois eleitos do Bloco [ouvir declarações nas galerias relacionadas]..

A aprovação implica, previamente, a revisão parcial do PSF, “garantindo o seu equilibrio”.

A dívida do Beira-Mar decorrente dos terrenos das piscinas terá de ser “efectivamente liquidada ou com condições de pagamento” previamente à assinatura do contrato com a apresentação de garantias no prazo de 90 dias após as partes rubricarem o acordo.

O contrato de gestão terá de ser aprovado em sessão de Câmara e seguir para visto do Tribunal de Contas.

Será colocada uma cláusula que prevê a caducidade do contrato, caso não sejam cumpridas os seus termos.

Resta saber qual vai ser o sentido de voto dos vereadores eleitos pela coligação agora independentes depois de terem votado contra a versão original, abrindo uma crise politica na maioria sem precedentes.

Beira-Mar insiste não ter de pagar nada se houver acerto de contas

António Regala, presidente do Beira-Mar (na imagem com outros elementos da direcção em conversa com Eduardo Feio, do PS) mostrou-se satisfeito “por tudo se encaminhar para chegar a bom porto”.

A exigência de garantias para liquidar as piscinas é um problema a ver posteriormente. “É óbvio que o Beira-Mar não tem condições, a banca neste momento recusa qualquer operação bancária”, disse.

Esta divida não faz parte do compromisso do investidor que pretende entrar na SAD, esclareceu.

O clube ficará com 90 dias para encontrar uma “calendarização” do pagamento das piscinas. “Penso que serão suficientes para arranjar uma solução”, disse António Regala.

O dirigente reafirmou que subsiste dívidas da Câmara ao Beira-Mar do protocolo de 2008, que têm de “entrar em linha de conta”  no acordo a celebrar agora para viabilizar a cedência do estádio, admitindo mesmo que o clube “não terá de pagar nada”.


“O que interessava era um acerto de contas e conseguir uma estabilidade de relacionamento”, vincou [ouvir declarações nas galerias relacionadas].

(em actualização)

Golpe de teatro

 

A troca de argumentos entre as bancadas prosseguiu fora dos olhares e ouvidos durante longos minutos na busca de um consenso político.

 

No final da conferência de líderes em que tomaram parte ainda membros do executivo, o PSD acabou incluir na proposta de recomendação termos a constar no contrato com compromissos mais concretos, indo ao encontro das exigências do PS, que também não quereria abrir uma ´frente guerra´ com o Beira-Mar.

 

 

 

Tags:
Notícias Relaccionadas
19 jul 2011, 08:02 EMA:Dúvidas legais e acordo com Beira-Mar travam extinção
19 jul 2011, 23:03 Aveiro: AM ajuda a desbloquear cedência do estádio / Beira-Mar não aceita pagar mais
21 jul 2011, 01:00 Vereador vê fraudes à lei no contrato com o Beira-Mar
08 nov 2012, 23:39 Aveiro: PSD diz que já era tempo de fechar concessão do estádio
08 nov 2012, 23:44 PSD pede à Câmara para entregar estádio ao Beira-Mar
Classifique esta notícia:  Muito Mau
  Comentar Artigo   Imprimir Artigo   Enviar Artigo   Partilhar Artigo
1 Comentário(s)
Manuel Arres (há 2139 dias, 14 horas e 50 minutos)

Um presidente que troca a estabilidade de uma maioria por uma birra deve continuar a confiança dos aveirenses? Um presidente que não tem coragem de ele próprio defender a sua dama deve deve continuar a confiança dos aveirenses? Não será legítimo pressupor que andariam interesses neste negócio que ainda não vieram à superfície? “Esta divida não faz parte do compromisso do investidor” diz Regala. Então o BM, mesmo esta direcção que é séria, esparia que o investidor pagasse aos credores que “enterraram” o seu clube e ajudasse ainda mais a afundar a CMA. Os aveirenses não percebem isso.

Galerias Relacionadas:
  0 video(s)
  0 documentos(s)
Outras Informações:
Visualizações: 28097
Tamanho do texto: A- A+

Últimos Vídeos
Mais comentadas
Mais lidas
Pesquisa de imóveis »
 
Armazém
Arrendamento - Usado
Aveiro
Aveiro, Oliveirinha
Consultar Imóvel »
Apartamento T2
Arrendamento - Recuperado
Aveiro
Vagos, Vagos
Consultar Imóvel »
Quartos   
Inquérito »