25 de Abril comemorado pelos municípios em isolamento com muitas partilhas sociais

673
25 de Abril de 2020, Ovar.
Banner Ol. do Bairro – cultura – 728X90

A comemoração do 46º aniversário do 25 de Abril saiu à rua por momentos em Oliveira de Azeméis, o tempo suficiente para expor os símbolos nacionais. Em Ovar, um jardim de ‘cravos’ foi plantado para homenagear as vítimas do Covid-19.  O Facebook foi o palco das intervenções políticas em muitos concelhos, como aconteceu também em Vagos.

Apesar de recorrer ao Facebook para partilhar as principais intervenções da tradicional sessão comemorativa do 46ª aniversário do ’25 de Abril’ , seguindo as recomendações de distanciamento social feitas pelas autoridades de saúde, a autarquia de Oliveira de Azeméis não deixou, logo pela manhã deste sábado, de hastear a bandeira nacional, presencialmente, nos Paços de Concelho, ao som de ‘A Portuguesa’, entre alguns pingos de chuva.

Joaquim Jorge, presidente da Câmara (PS), prestou homenagem às vítimas do coronavírus e a a quem está envolvido no combate à doença. “Nesta pandemia do Covid-19 tivemos também muitos que lutaram e não resistiram. Devemos aproveitar este momento importante para nós para simbolizar  os ideais de Abril, da fraternidade, da solidariedade, da liberdade e igualdade. Neste momento particularmente difícil, devemos evocar e honrar todos os que lutaram, os portugueses e os oliveirenses que foram chamados mais uma vez a ser solidários e deram resposta à altura, conseguiram através do seu altruísmo honrar a ‘nação valente e imortal. É um tempo de levantar o esplendor de Portugal”, concluiu.

O Facebook oliveirense partilhou ainda vídeos educativos, como o ’25 de abril contado às crianças’, ‘Poemas livres’ e ainda registos com “Memórias oliveirenses” da Revolução.

Em Ovar, o concelho mais fustigado na região pelo Covid-19, que chegou a estar um mês em ‘cerca sanitária’, nasceram cravos multicoloridos em tamanho grande na praça do município, homenageando as vítimas mortais (cerca de 35 até ao momento em mais de 650 infetados). Os eleitos locais participaram com depoimentos partilhados no Facebook.

Este ano, o golpe militar que pôs fim ao Estado Novo foi comemorado “de forma diferente, com os valores da defesa da comunidade, da solidariedade, da coragem e resistência. Como diz o poema de Sophia, a madrugada pela qual todos esperamos vai chegar, nós vamos vencer”, enfatizou o líder da autarquia.

No entanto, mais de quatro décadas depois, prosseguiu o autarca, “vivemos num tempo excepcional, com liberdade de pensamento e expressão conquistada, mas o medo de tudo e de nada voltou a instalar-se na sociedade global, por causa de um vírus desconhecido, com restrições e delimitações, fomos todos postos à prova, destruindo a confiança e a própria essência da vida”.

Para Salvador Malheiro, o concelho soube agir na altura devida e de forma correta. “Cedo percebemos que era uma situação grave, no momento certo avançamos com medidas de proteção, fomos para o terreno para travar a propagação galopante”, lembrou.

Só a União de Freguesia de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã (UFO ) teve mais casos que 90% dos municípios, motivando “uma vénia” ao trabalho do presidente da Junta, Bruno Oliveira.

“No imediato, é a forma mais eficaz e eficiente para travar o vírus que se instalou a ritmo assustador. Não ficámos à espera, exigimos e assumimos competências que não são próprias, fazendo tudo que estava ao nosso alcance, assim continuaremos”, garantiu o edil.

Numa analogia com a revolução de há 46 anos, Salvador Malheiro disse que “a coragem daquela madrugada de 74 renasceu em nós no dia em que percebemos que a vida estava ameaçada”, tendo o momento sido enfrentado com “a bravura dos capitães de Abril, por dezenas de homens e mulheres, trabalharam 24 horas por dia, toda a semana, com o objetivo de salvar vidas, o que não é fácil.”

A pandemia continuará a mobilizar meios no futuro próximo, obrigando à adaptação da forma de viver em comunidade. “Pese embora algumas conquistas, a guerra está longe de ser ganha, temos de encontrar novas formas de estar e conviver com este vírus sem desmoralizar, uma nova normalidade devolvendo saúde e confiança e atenuando prejuízos sociais e económicos que gerou. Uma guerra que se ganha em casa, protegendo a nossa vida e dos que nos são próximos”, apelou, considerando Ovar um “exemplo pela maneira como se preparou para conter o vírus”.

Em Vagos, foi partilhado um vídeo com as intervenções dos representantes dos partidos que integram a Assembleia Municipal, do Presidente da Câmara e do Presidente da Assembleia Municipal, numa sessão que contou ainda com a participação de músicos Vaguenses.

S. João da Madeira também não deixou de comemorar o ’25 de Abril’, apesar das restrições impostas pela pandemia da Covid-19. Uma sessão disponibilizada em vídeo, que inclui um momento musical pelo Coro de Câmara de São João da Madeira.

Em Águeda, o programa ocupou o dia com diversas transmissões, destacando-se as intervenções da sessão solene.

No concelho de Oliveira do Bairro, a mesa da Assembleia Municipal partilhou intervenções alusivas ao feriado nacional dos líderes das bancadas partidárias.

Artigo relacionado

Aveiro: A mesma fé nos valores da liberdade, um 25 de abril mais intimista

Publicidade, Serviços & Donativos