Viagem à história da evolução urbana de Aveiro

463
Livro "Evolução Urbana de Aveiro".

Em Aveiro, por alturas do século XV, havia uma única área bem demarcada e com uma identidade própria — a zona da muralha.

Por Maria José Curado *

Com a leitura deste livro propõe-se uma viagem à história da evolução urbana de Aveiro.

É um texto a contar o passado, mas escrito a pensar no futuro, promovendo o acesso à informação e ao conhecimento à comunidade em geral, contribuindo para uma sociedade mais participativa e ativa no futuro das cidades. Este foi um dos principais objetivos de publicar esta investigação.

A história da evolução urbana de Aveiro que se conta é relativa aos espaços cuja génese tem origem entre o século XV e o final do século XIX, de uma forma simples e sintética, demonstrando e ilustrando essa evolução.

Apesar da investigação intensa e alargada que se realizou, não se pretende fazer uma descrição exaustiva dos aspetos relacionados com a evolução urbana de Aveiro, mas sim compilar, descortinar, relacionar, espacializar e ilustrar diversa informação existente sobre esta matéria, resultando este desafio nesta publicação.

É escrita numa linguagem que se considera acessível ao público não científico, mantendo, no entanto, o rigor científico.

Em Aveiro, por alturas do século XV, havia uma única área bem demarcada e com uma identidade própria — a zona da muralha.

Considera-se que é a partir deste momento que a população que se instala fora de muralhas, o faz estabelecendo-se em zonas que passam a ter uma dinâmica específica, quer do ponto de vista espacial quer social.

Desta forma, optou-se por contar esta história percorrendo Aveiro em cinco zonas tendo a muralha sempre como referência: a Muralhada, a Norte, a Nascente, a Sul e a Poente da Muralha.

De referir que as zonas mais desenvolvidas do ponto de vista urbano até ao século XIX eram as zonas da Muralhada e a norte da Muralha Vila Nova, e por isso mesmo apresentam-se mais exploradas neste trabalho.

A informação existente sobre a primeira, uma área confinada espacialmente, com uma configuração definida desde cedo, é mais rica; já relativamente à segunda, tratando-se de uma área muito mais dispersa geograficamente, com momentos de crescimento distintos, a informação é mais residual, com menos reflexão sobre o seu significado para o desenvolvimento urbano desta área, pelo que se espera que a investigação realizada, e agora apresentada, seja um contributo importante para o seu conhecimento.

* Autora do livro “Evolução urbana de Aveiro – espaços e bairros com origem entre os séculos XV e XIX”. Docente na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e investigadora do CIBIO-InBIO, onde desenvolve investigação nas áreas da ecologia da paisagem, gestão da paisagem, ordenamento do território e ordenamento e desenho urbano. Licenciada em Arquitetura Paisagista (ISA/UTL), mestre em Planeamento e Projeto do Ambiente Urbano (FAUP/FEUP) e doutora em Ciências Aplicadas ao Ambiente (UA). Diretora do Observatório de Paisagem da FCUP.

Publicidade, Serviços & Donativos