Um apelo – mais um dirão, infelizmente, alguns de vós

407
Comunicação social.
Smartfire 728×90 – 1

Independência, profissionalismo e ética são mais fáceis com a autonomia financeira do respetivo órgão. Responsividade e utilidade social crescem melhor em quadros de eficaz interação entre o órgão e o contexto – designadamente o cívico.

Por Pompílio Souto *

A comunicação social local e regional pode desempenhar um papel muitíssimo importante na consolidação da democracia que temos e nos aprofundamentos de que ela hoje e sempre precisará.

Mas isso pressupõe órgãos livres, escrutináveis e socialmente úteis.

. Ao nível local essa liberdade ter-se-á de assumir na independência editorial e em profissionalismos competentes e eticamente responsáveis.

. Quanto à dita utilidade social, pressuporá desempenhos responsivos para destinatários e contextos educados, exigentes – para consigo e com o demais -, abertos e participativos. E se tudo assim for, para além do legítimo escrutínio que farão os órgãos do estado para tal democraticamente constituídos, também nós cidadãos – parte essencial dos referidos contextos – melhor civicamente o exerceremos.

Independência, profissionalismo e ética são mais fáceis com a autonomia financeira do respetivo órgão. Responsividade e utilidade social crescem melhor em quadros de eficaz interação entre o órgão e o contexto – designadamente o cívico.

Se o apoio à dita autonomia financeira – visando uma melhor democracia –, se pode dizer que será, sobretudo, responsabilidade e encargo do Estado, já a almejada responsividade é – inquestionavelmente – tarefa nossa e do órgão: abrindo-se um e outro, com transparência, e entreajudando-se no esclarecimento e debate do bom, do mau e das mudanças que se impõem para sermos comunidades menos desiguais, melhores e mais sustentáveis.

. Ora se isso implica reivindicar junto de quem governa, melhores e mais previsíveis apoios à comunicação social e local e regional, ainda que eventualmente especializados ou devida e publicamente contratualizadas.

. Isso também obriga a um entrosamento virtuoso eficaz e eficiente entre comunicação social e contexto destinatário, ainda que um e outro tenham de ser mais exigentes, quer na articulação do que importa relevar, quer na bondade do respetivo resultado.

Somos tão poucos, os meios são tão escassos e sabemos – de certeza absoluta – tão pouco sobre como construir comunidades educadas, cultas, financeira e economicamente sustentáveis e felizes, que dedicarmo-nos a agregar em vez de dividir – o saber, o conhecimento e a criatividade, p.ex. –, seria uma obra da maior importância.

. Também no domínio da comunicação social há muito que agregar e muitíssimo mais ainda para articular.

. Assim o queiramos todos, pelo menos um pouco.

Leia, ouça, compre, assine, patrocine. Comente, colabore, promova. Faça tudo isso não só uma vez e sempre que possa com outros de modo corrente e duradouro.

Assim, em conjunto, todos vamos melhorando.

* Coordenador da PLATAFORMAcidades; grupo de reflexão cívica | Blogue Plataforma Cidades | [email protected]

Publicidade, serviços e donativos

» Está a ler um artigo sem acesso pago. Faça um donativo para ajudar a manter o NotíciasdeAveiro.pt de acesso online gratuito;

» Pode ativar rapidamente campanhas promocionais, assim como requisitar outros serviços.

Consultar informação para transferência bancária e aceder a plataforma online para incluir publicidade online.