Penas de prisão suspensas para trio que assaltou pastelaria com pistola de ‘bolinhas’

689
Tribunal de Aveiro.
Smartfire 728×90 – 1

O Tribunal de Aveiro condenou a prisão três indivíduos por assaltos em Aveiro e Ílhavo, bem como crimes de dano, tráfico de droga e condução sem carta, com penas de 4 anos e 9 meses, 3 anos e 9 meses e 2 anos, todas suspensas com obrigações.

Os agora condenados terão de pagar cerca de 2.250 euros, solidariamente, ao proprietário de um veículo ligeiro de passageiros furtado na Gafanha da Nazaré, que destruíram pelo fogo na praia da Vagueira, concelho de Vagos.

O trio com idades entre os 19 e os 24 anos esteve envolvido ainda em assaltos a residências, gasolineiras (dois abastecimentos de combustível sem pagar) e uma pastelaria em Cacia. Este último caso ocorreu sob ameaça de uma réplica de pistola, de ‘bolinhas’, de venda livre, e não arma de fogo como surgia referido na acusação, levando uma gaveta da caixa registadora com cerca de 90 euros (e não 200 euros como contabilizado inicialmente).

O arguido de 24 anos, o único que estava detido preventivamente, e que recebeu autorização para ser libertado face à pena aplicada (4 anos e 9 meses), assumiu o furto da viatura Honda Civic de uma garagem com a intenção de “vender para arranjar dinheiro”, tendo admitido também que era consumidor de estupefacientes. Quanto ao roubo ocorrido na pastelaria do Paço a 20 de fevereiro, o jovem confessou a sua participação e incriminou os restantes acusados. Seria o único a assistir à leitura da sentença, atendendo à ausência dos restantes, sem dar justificação.

Uma postura considerada “determinante” para a suspensão da pena. O arguido cometeu crimes quanto estava a beneficiar de uma outra pena suspensa.

Registaram-se desistências de queixa pelos furtos de gasolina dos lesados pelos postos da Cepsa e Prio, na Gafanha da Nazaré.

O tribunal procedeu a alterações de qualificação jurídica de alguns crimes (roubo, incêndio, posse de arma proibida) que beneficiaram os arguidos com uma moldura penal mais baixa.

Um dos arguidos era acusado ainda de assaltar a casa de outro acusado, onde se apropriou de vários artigos.

Discurso direto

“Os factos que praticaram apesar da nova qualificação atribuída não deixam de ser graves. São jovens, não pensam nas consequências. A vida não é isto, temos de respeitar o património alheio e as outras pessoas. Esperamos que não voltem a cometer novos crimes, damos uma oportunidade, esperando não nos arrependermos. A responsabilidade está do vosso lado” – juiz presidente.

Artigo relacionado

Confessa roubo a pastelaria com “pistola de desporto”

Publicidade, Serviços & Donativos