Confessa roubo a pastelaria com “pistola de desporto”

358
Tribunal de Aveiro.

Um dos três jovens a quem se imputam roubos e furtos em Aveiro e Ílhavo ocorridos no início do ano, bem como tráfico de droga, condução sem carta e posse de arma proibida, confessou parcialmente os factos imputados ao falar no início do julgamento, esta quarta-feira. Dois outros arguidos faltaram sem dar justificação.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), o trio com idades entre os 19 e os 24 anos esteve envolvido no furto de uma viatura na Gafanha da Nazaré a 15 de fevereiro, que veio a ser incendiada um dia depois na praia da Vagueira, Vagos, bem como a assaltos a residências e gasolineiras (dois abastecimentos de combustível sem pagar a 15 de fevereiro) e, no caso mais grave, o roubo ocorrido numa pastelaria em Cacia sob ameaça de uma pistola, levando uma caixa registadora com cerca de 200 euros.

O arguido de 24 anos, o único que está detido preventivamente, assumiu o furto da viatura Honda Civic de uma garagem com a intenção de “vender para arranjar dinheiro”, tendo admitido também que era consumidor de estupefacientes. Sobre o alegado abastecimento de gasolina sem pagar, não quis falar.

Quanto ao roubo ocorrido na pastelaria do Paço a 20 de fevereiro, o jovem confessou a sua participação e dos restantes acusados. “Não tínhamos dinheiro, mas não foi nada organizado” explicou, adiantando que a pistola, adquirida por outro arguido, “era de ar comprimido, usada para desporto e não tinha munições”.

Depois de se terem apercebido que não estavam clientes, o arguido e outro acusado entraram no estabelecimento. Segundo a acusação, um dos indivíduos estaria já no interior do balcão quando os donos deram pela presença.

“Não entrámos no balcão, a caixa registadora estava em cima do balcão. Aconteceu num minuto, íamos de boca e nariz tapados. Eu levava a pistola, mas não apontei a ninguém, levava-a na mão, posso ter feito algum gesto… Era para intimidar”, explicou, afirmando-se “arrependido pela falta de consciência”. Deixou, também, disponibilidade para compensar o dono do automóvel destruído pelo fogo.

No dia 22 de fevereiro, a Polícia Judiciária intercetou os três suspeitos a circular de automóvel, na posse de droga (13 gramas de haxixe) e da arma com munições, que terá sido usada no assalto em Cacia.

O arguido não quis falar de um suposto assalto à residência, no mês seguinte, na Gafanha da Nazaré. Seria intercetado pela GNR com uma mochila na posse de artigos, sobretudo equipamentos informáticos, no valor de pelo menos 1500 euros.

Artigo relacionado

PJ deteve trio suspeito de roubos, furto e incêndio na Barra e Aveiro

Publicidade, Serviços & Donativos