Debate sobre “Pescas e Sustentabilidade” marca regresso das ‘Conversas de Mar’

418
Estátua do Homem do Mar, Ílhavo.

Num ambiente informal e tendo como pano de fundo o Aquário dos Bacalhaus, espera-se um debate em torno do impacto da atividade e indústria pesqueira na sustentabilidade dos oceanos marca o regresso das Conversas de Mar ao Museu Marítimo de Ílhavo (MMI).

Dia 3 de novembro, sábado, às 17:00.

A sessão, moderada por Álvaro Garrido, Consultor do MMI e Professor da Universidade de Coimbra, pretende dar respostas a importantes questões: Será que a crise das pescas é real ou exagerada? Podemos imaginar cenários de expansão do sector ou devemo-nos preparar para consumir cada vez menos peixe de origem selvagem? entre outras.

O debate promete, não apenas pela pertinência e importância temática, mas porque irá reunir dois intervenientes, grandes especialistas na matéria, que analisam e avaliam os problemas e os desafios da pesca de maneira distinta e com opiniões distintas.

Pedro Jorge é dirigente da principal associação portuguesa de pescas industriais, a ADAPI, e tem uma larga experiência e conhecimento técnico nas pescas longínquas e na burocracia internacional do sector. Gonçalo Carvalho é dirigente da organização não-governamental PONGPesca e tem um largo conhecimento científico, em especial na área da Biologia.

A sessão é aberta a todos os interessados e gratuita.

Biografias

Pedro Jorge Silva:
Presidente da Direção da ADAPI
Exerce funções no sector da pesca industrial desde 1970. É atualmente Presidente de Direção da ADAPI (Associação dos Armadores de Pesca Industrial), Administrador do Grupo Miradouro membro da Fileira do Pescado, membro do Fundo de Compensação Salarial da Pesca. Anteriormente, em representação da Sociedade de Pesca Miradouro, integrou o Conselho de Administração da Mútua dos Armadores da Pesca de Arrasto e do Conselho de Administração da Navalria, tendo ainda integrado a constituição e funcionamento de uma Organização de Produtores da Pesca.

Gonçalo Ferreira de Carvalho:
Licenciado em Biologia Marinha e Pescas pela Universidade do Algarve e Mestre em Sociologia Urbana, do Território e do Ambiente pelo ISCTE/IUL
Dedicou a primeira parte do seu percurso profissional à recolha de dados e acompanhamento de várias pescarias em Portugal continental e insular, tendo participado igualmente em projetos de ecologia costeira, ictiofauna e aquicultura. Desde 2006, ano em que colaborou na criação da Sciaena, que tem vindo a envolver-se de forma cada vez mais ativa com diversas Organizações Não Governamentais do Ambiente (ONGA), sobretudo a nível das políticas das pescas e da conservação dos ecossistemas marinhos. É atualmente Coordenador Executivo da Sciaena, coordenador da PONG-Pesca e consultor para ONGA internacionais.