Covid-19: UA desenvolve ferramenta para rastreio precoce em sintomáticos

1049
Universidade de Aveiro.
TA728

Uma equipa de investigadores da Universidade de Aveiro (UA) está a procurar desenvolver” uma ferramenta de rastreio precoce, rápido e eficiente” para detetar o vírus SARS-CoV-2 (Covid-19) em pacientes sintomáticos.

Segundo explica uma nota de imprensa da instituição aveirense, “o projeto SENSECOR corresponde à prova de conceito dessa ferramenta em desenvolvimento”.

Os investigadores esperam que o sistema venha a facilitar “a descentralização do rastreio de SARS-CoV-2, assim como a posterior centralização de dados de monitorização epidemiológica da infeção nas unidades de saúde competentes e autorizadas.”

O que, a aconetcer, permitirá que o sistema SENSECOR seja usado para apoiar “a tomada de decisão clínica rápida, minimizando o recurso a testes de diagnóstico moleculares dispendiosos, a sobrecarga de recursos humanos especializados e de profissionais da saúde, o que contribuirá para a contenção do contágio e mitigação do alastramento da pandemia.”

» A ideia surgiu da coordenadora do projeto, Catarina R. Marques, investigadora do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM) e Departamento de Biologia da UA, “movida pela vontade de contribuir para colmatar lacunas inerentes ao rastreio célere da presença do vírus e transpondo, para esse efeito, a investigação que tem vindo a desenvolver no âmbito de outros projetos que coordena, juntamente com a aplicação de conhecimentos multidisciplinares”.

» O projeto conta com colaboração com peritos de diferentes áreas científico-tecnológicas par criar um sistema integrado composto por vários módulos: um elemento sensorial imunológico para deteção do vírus, uma aplicação móvel para smartphone, uma unidade de condicionamento de sinal e uma de comunicação de dados. O cidadão comum poderá utilizar o sistema e tomar conhecimento do resultado do rastreio que, em simultâneo, pode ser comunicado às instituições de saúde.

» O SENSECOR está a ser desenvolvido em copromoção entre a UA e a empresa Wavecom – Soluções Rádio S.A., sendo a equipa do projeto constituída também por duas entidades parceiras: o Instituto de Telecomunicações (IT2) e o Centro Hospitalar do Baixo Vouga, E.P.E. (CHBV).

» Decorre a adaptação da tecnologia desenvolvida anteriormente para os requisitos específicos de SARS-CoV-2. A fase seguinte consistirá na adequação, integração e implementação dos módulos que constituirão o sistema de rastreio.

Publicidade, Serviços & Donativos