Vice presidente da Câmara de Estarreja é um dos arguidos do processo ‘Ajuste secreto’

2083
Câmara de Estarreja.
Smartfire 728×90 – 1

O vice-presidente da Câmara de Estarreja é um dos 68 arguidos do processo ‘Ajuste secreto’ relacionado com crimes de corrupção, tráfico de influências, peculato e outros crimes económicos.

“O Ministério Público deduziu a acusação contra o vereador da Câmara Municipal de Estarreja, Adolfo Vidal”, que irá manter-se em funções, confirmou uma nota do gabinete de relações públicas do executivo de maioria PSD-CDS.

“Concluída que foi a primeira fase do processo e assentando a acusação em meros indícios, será requerida a abertura de instrução para desse modo carrear para o processo provas que demonstrem a inocência do visado e assim colaborar com a justiça”, conclui a informação camarária.

O Ministério Público (MP) proferiu a 6 de novembro passado o despacho de acusação no âmbito da chamada operação ‘Ajuste secreto’, que tem no ex-autarca Hermínio Loureiro (renunciou no final de 2016), atual vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol, o nome mais conhecido, imputando, ao todo, a 68 arguidos crimes de corrupção, peculato e tráfico de influências, entre outros crimes económicos.

Um dos casos diz respeito a alegado favorecimento de empresário pelas Câmaras Municipais de Estarreja, Matosinhos e Gondomar nos procedimentos de contratação pública de 2016 e 2017, estando em causa crimes de corrupção passiva, corrupção activa e prevaricação.

Artigos relacionados

Acusação do processo ‘Ajuste secreto’ imputa crimes económicos a 68 arguidos

Auditoria às contas da Junta de Pardilhó aponta irregularidades

Publicidade, Serviços & Donativos