Turismo Centro Portugal aplaude diversificação da oferta formativa em Aveiro

808
Apresentação do curso de tripulantes de cabine, Aveiro.
Dreamweb 728×90 – Video I

Depois do “grande sucesso” de uma primeira edição, com duas dezenas de inscrições, a Escola de Formação Profissional em Turismo de Aveiro (EFTA) está a dinamizar o segundo curso de tripulantes de cabine, o primeiro inteiramente fora de Lisboa, que arrancará em novembro próximo.

A formação inicial envolve como parceira a OMNI Aviation, considerada por Manuel Torrão, diretor da EFTA, como “a melhor empresa” de formação no sector da aviação nacional.

A EFTA consegue, assim, associar-se a “uma das melhores escolas de aeronáutica do país”, em atividade há duas décadas, “enriquecendo a oferta formativa da região Norte e Centro do País, com foco no turismo”.

O curso, o primeiro do género fora da Grande Lisboa, tem a duração de quatro semanas, incluindo, a terminar, uma componente prática no centro de formação aeronáutica de Santa Maria, Açores.

Pedro Machado, presidente da Turismo Centro Portugal, presente no lançamento do curso, destacou o empenho da EFTA em estar “um passo à frente na diversificação da formação turísticas”, numa altura em que a qualificação dos recursos humanos “é um dos factores críticos da sustentabilidade “do sector em Portugal, nos seus mais variados domínios da indústria do turismo, desde a hotelaria, à restauração e serviços.

“Portugal tem um problema real de quantidade e qualificação”, vincou lembrando as conclusões da recente Cimeira do Nacional do Turismo.

O dirigente da entidade regional relevou o esforço de formação de novos profissionais de tripulantes de cabine, lembrando que “é uma das portas mais importantes da entrada de turistas é o transporte aéreo.”  A própria região Centro está a ser cada vez mais procurada, segundo Pedro Machado, por visitantes que chegam em viagens de longo curso.

O mercado de trabalho para tripulantes de cabine deverá continuar’em alta’ e a absorver rapidamente os formandos, atendendo ao aumento da atividade aérea internacional, como fez salientar Joaquim Oneto, diretor geral da OMNI.