S. Jacinto: “Normalizar o funcionamento dos órgãos locais não é uma questão menor” – José Ferreira Leite (PS)

1336
José Ferreira Leite, candidato do PS em S. Jacinto.
Smartfire 728×90 – 1

José Eduardo Ferreira Leite é o cabeça de lista PS nas eleições intercalares para a Assembleia de Freguesia de São Jacinto, pretendendo suceder a António Aguiar, que renunciou ao cargo acompanhado dos eleitos socialistas.

Razões e objetivos da candidatura ?

Estou estreitamente ligado a São Jacinto pelo nascimento, pelas raízes familiares e pelo casamento. Enquanto cidadão e habitante, considerei ser minha obrigação colocar à disposição dos meus conterrâneos a minha experiência e a minha disponibilidade. E fi-lo aceitando o convite do Partido Socialista, por ser nas suas linhas programáticas e nos seus princípios de intervenção que melhor me revejo.

O que entende que está em causa neste ato eleitoral, para além da necessidade de normalizar o funcionamento dos órgãos locais?

Normalizar o funcionamento dos órgãos locais não é uma questão menor. Consideramos que a concretização desse objetivo é um pressuposto para quaisquer atividades que visem o desenvolvimento de São Jacinto. A forma como se pretende atingir este objetivo é mesmo um dos principais pontos em causa neste ato eleitoral. Nós pretendemos fazê-lo através de uma avaliação séria do passado, da valorização da Assembleia de Freguesia enquanto representante dos anseios e da vontade da população e da cooperação institucional com a Câmara Municipal. Está também em causa o tipo de Junta de Freguesia que se pretende. Nós queremos uma Junta estruturada e organizada, permitindo que as energias se foquem, todo o dia e todos os dias, no cidadão e na resposta às suas necessidades, anseios e ambições.

Principais compromissos eleitorais / carências locais que devem merecer atenção especial?

As principais carências são manifestamente a nível da mobilidade. A situação geográfica de São Jacinto e a média de idade da população tornam mais difícil o acesso dos habitantes de São Jacinto aos serviços e equipamentos municipais, por comparação com as restantes freguesias. Estamos cientes dos esforços que têm vindo a ser feitos para colmatar essa situação e que podem ser representados pelo novo “ferry boat” que a Câmara Municipal em boa altura decidiu mandar construir. Mas também estamos cientes de que não chega e de que a mobilidade está estreitamente ligada ao desenvolvimento económico e, para isso, entendemos que o turismo é o caminho a seguir. Mas queremos um turismo sustentável que respeite o meio ambiente e promova o bem estar da população. O nosso plano passa por agregar a população, as associações, os empresários que adiram aos princípios da sustentabilidade, aos parceiros institucionais como a Reserva Natural e o Regimento de Infantaria. Depois, desenvolver essas orientações de forma articulada com o Município e as entidades competentes, tendo em vista que São Jacinto integre a sua oferta num plano mais vasto do turismo municipal e regional.

Em relação especificamente aos temas que estiveram na origem das renúncias (situação financeira da Junta, parque de campismo), quais devem ser as ações a tomar pela Junta e como deve a Câmara colaborar ?

A situação financeira da Junta ainda não é totalmente conhecida, pelo menos ao nível do comum dos cidadãos como é o meu caso. Mas o que temos em vista será sempre aplicado. Em primeiro lugar, solicitar uma auditoria às contas e à atividade da Junta. Esta é uma exigência sentida pela população de São Jacinto, visando acabar com rumores, boatos e especulações e repor o bom nome de São Jacinto. Entretanto, vamos apurar dívidas, contatar credores e procurar acordar planos de pagamento sérios, viáveis e realistas. Vamos também estabelecer centros de custos por atividades e criar mecanismos de alerta para evitar a repetição das situações que terão ocorrido. A colaboração da Câmara terá que ser concretizada com o seu Presidente. Foi o Sr. Presidente da Câmara que manifestou publicamente a vontade de contribuir para a solução do problema, em articulação com a Junta de Freguesia, tendo para isso colocado apenas uma condição: ter pessoas de confiança a gerir a Junta de forma séria e rigorosa. Não temos dúvidas que satisfazemos esses critérios.
No que respeita ao Parque de Campismo, o mesmo passará no próximo dia 1 de Novembro para a gestão da Câmara Municipal. Na Junta, iremos prestar toda a colaboração que nos seja solicitada pelo Município, sempre com o objetivo de contribuir para uma rápida resolução das questões pendentes.

Resuma por que acha que os cidadãos devem votar na lista que encabeça ?

Porque temos um amplo conhecimento das necessidades da população a que pertencemos e porque temos a experiência necessária para constituir uma Junta ao serviço dessas necessidades.
Porque representamos uma aposta no desenvolvimento de São Jacinto, um desenvolvimento que leva em linha de conta a vontade da população e a necessidade de colocar a melhoria do seu bem estar como objetivo agregado a cada ação a desenvolver.
E porque queremos que esse desenvolvimento não altere de forma irremediável as tradições e a cultura das gentes de São Jacinto.

Artigos relacionados

Eleições em S. Jacinto: Candidato do PS defende auditoria e espera apoio camarário para normalizar situação financeira

Aveiro / Eleições intercalares: S. Jacinto vai a votos no dia 13 de novembro

Publicidade, serviços e donativos

» Está a ler um artigo sem acesso pago. Faça um donativo para ajudar a manter o NotíciasdeAveiro.pt de acesso online gratuito;

» Pode ativar rapidamente campanhas promocionais, assim como requisitar outros serviços.

Consultar informação para transferência bancária e aceder a plataforma online para incluir publicidade online.