Rossio: Uma das mais importantes realizações de Girão Pereira reduzida a escombros

9438
Smartfire 728×90 – 1

Estranhei que quarenta e poucos anos depois da inauguração da obra de Girão Pereira (menosprezando-a e ninguém fazendo oportuno reparo) ela fosse considerada obsoleta e de imediato reduzida a escombros.

Por Brasilino Godinho *

No dia 01 de Fevereiro de 1963, por motivações profissionais, instalei-me definitivamente em Aveiro. Daí que, agora, com tantas dezenas de anos de vivência na cidade me sinta aveirense, na plena abrangência de cidadania que é adstrita à minha condição de nonagenário.

Então, há quase passados 59 anos, havia na cidade o Largo do Rossio onde se efectuava a Feira de Março. Praticamente, local desordenado, em mau estado de conservação, era o razoável préstimo social que se lhe reconhecia.

A 12 de Dezembro de 1976 realizaram-se as eleições autárquicas, pós revolução de 25 de Abril de 1974. As de Aveiro consagraram como vencedor o Dr. Girão Pereira.

Se bem me lembro logo três anos depois era lançada a obra de construção do jardim do Rossio.

Ela suscitou o agrado geral por ter proporcionado grande valorização urbanística e foi inscrita no currículo presidencial do presidente Girão Pereira como uma das suas mais importantes realizações.

Há poucos anos a Câmara Municipal começou a divulgar o propósito de remodelar o Rossio.

Estranhei que quarenta e poucos anos depois da inauguração da obra de Girão Pereira (menosprezando-a e ninguém fazendo oportuno reparo) ela fosse considerada obsoleta e de imediato reduzida a escombros.

Pior, viria depois com a incrível ideia de no Rossio ser construído mais um parque de estacionamento subterrâneo, numa cidade que já conta alguns, pouquíssimo utilizados.

Com o do Rossio, agora programado, fica inscrito nos Anais da Cidade mais um a dar nota de Aveiro ser a cidade de Portugal com maior número de parques de estacionamento subterrâneos e com a insólita caracterização (comum) de estarem permanentemente às moscas – o que mais vai ser deprimente marca distintiva da cidade aveirense.

Como cidadão aveirense sinto grande tristeza face a mais um aborto urbanístico numa cidade que também já, pejorativamente, se distingue por nela existirem diversas aberrações viárias e monstruosidades de ordenamento territorial.

Por desgraça, numa cidade que se orgulha de intramuros possuir uma prestigiada universidade. O que para esta instituição se reveste de preocupante enquadramento funcional e de imagem; a qual, muito e bem deveria ser acautelada pela autarquia municipal e a que a própria universidade deveria estar atenta, sobremodo vigilante, para assegurar sua reputação sem máculas desprestigiantes; que nem por serem exteriores ao seu Campus não deixam de se reflectir no âmbito universitário aveirense; principalmente em termos de ensino de engenharia civil e de planeamento urbanístico.

Para que conste, “quem cala, consente! Brasilino Godinho não consente!

* Doutorado em Estudos Culturais, autor. https://www.facebook.com/brasilino.godinho

Publicidade, Serviços & Donativos

Para conhecer e ativar campanhas em NoticiasdeAveiro.pt, assim como conhecer / requisitar outros serviços e fazer donativos, utilize a nossa plataforma online.