Ria de Aveiro ‘sob ataque’

7818
Ria de Aveiro.
Smartfire 728×90 – 1

Desde o início do ano que têm sido feitas diversas descargas ilegais que contaminam a nossa Ria, quer no Canal de Mira (concelho de Ílhavo), quer no rio Ul (que passa pelos Concelhos da Feira, S. João da Madeira e Oliveira de Azeméis e desagua no Antuã) e no Antuã (que se estende pelos concelhos de Arouca, Vale de Cambra, S. João da Madeira, Oliveira de Azeméis e Estarreja, desaguando na Ria de Aveiro).

No canal de Mira são mesmo dejetos humanos (provenientes de saneamento doméstico e largados à noite) e industriais (oriundos de uma via do mecanismo de descarga de emergência acoplado às estações elevatórias das Cochadas e de Pisão da responsabilidade das Águas do Centro).

Quantos às observadas nos rios Ul e Antuã tem origens diversas (suinicultura, industrial e doméstica).

Infelizmente estas situações são recorrentes e as autoridades têm conhecimento delas, mas realmente pouco fazem e todas dizem não ter meios para resolver o problema.

Na verdade sem uma fiscalização capaz, estações de tratamento de águas residuais, saneamento básico e vontade política, não se prevê que terminem tão cedo.

Estas descargas afectam gravemente a saúde das populações e os ecossistemas, colocando também em causa a economia local.

No Canal de Mira, o alerta foi dado pelo MARIA (Movimento Amigos da Ria de Aveiro) às autoridades competentes:

● a Câmara Municipal de Ílhavo diz não ser da sua competência resolver o problema;
● o SEPNA (Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente da GNR) reativou a queixa anteriormente
apresentada;
● a AdRA – Águas da Região de Aveiro recolheu amostras para análise e assegurou não ter
responsabilidade (nomeadamente, por avaria dos sistemas de saneamento);
● a ARH Centro da Agência Portuguesa do Ambiente recolheu amostras para análise em Lisboa.

Perante esta situação, o Movimento de Amigos da Ria de Aveiro (que também recolheu amostras para análise), pondera seriamente apresentar uma queixa crime contra desconhecidos junto do Ministério Público e terá todo o apoio do PAN.

Apelamos às autoridades com capacidade de intervenção na gestão dos recursos hídricos do distrito de Aveiro – Agência Portuguesa do Ambiente, Águas da Região de Aveiro e os diversos Municípios, que concertem esforços com as autoridades de investigação oficiais para detetarem e punirem severamente os prevaricadores, pondo fim aos graves atentados ambientais que, sistematicamente, se têm vindo a repetir e ficado em total impunidade.

Comissão Política Distrital de Aveiro do PAN – Pessoas – Animais – Natureza

Publicidade, Serviços & Donativos