Presidente de Junta de Cacia diz que “basta de dizer mal” da Câmara e deseja continuidade de Ribau Esteves

2881
Antiga Fábrica Jerónimo Pereira Campos, Aveiro (foto Câmara de Aveiro).
Dreamweb 728×90 – Video I

O presidente da Junta de Freguesia de Cacia dá como certo, em 2019, investimentos locais “como nunca aconteceu”, esperando a continuidade de Ribau Esteves à frente da edilidade.

Nelson Santos, eleito pela coligação PSD-CDS, que está a cumprir o seu primeiro mandato, acabou por ter a intervenção mais política das palavras de ocasião dirigidas após formalização dos contratos interadministrativos das Juntas com a Câmara Municipal, esta segunda-feira.

O envelope financeiro que acompanha as delegações de competências é visto pelo autarca como uma forma de “valorização do presidente de Junta” mas também das “populações”.

A requalificação da zona das piscinas, que “há muito precisa de obras”, é das intervenções previstas em Cacia.

O presidente da Junta mostrou-se muito otimista, também, com avanços de obras camarárias há muito reclamadas pela população local, como a requalificação da antiga estrada nacional 109, que tem no troço de Cacia a “maior movimentação” de tráfego do concelho, a rondar o milhão de veículos por ano.

Uma das obras aguardadas é a reformulação do troço que serve a Portucel, agora Navigator, com criação de duas rotundas e alargamento da via, que foi retomada após vários meses de paragem.

“Escolas primárias do século XXI” e arranjos urbanos em vários pontos da freguesia fazem parte, também, da lista de obras.

Nelson Santos destacou ainda “a excelência” dos serviços municipalizados que “respondem no dia seguinte” aos pedidos de intervenção “com técnicos no local”.

A terminar, o autarca de freguesia elogiou o desempenho de Ribau Esteves, esperando que se mantenha no cargo. “Será sempre o meu presidente de Câmara, enquanto quiser e a lei permitir. Basta de dizer mal”, afirmou.

Um repto que não mereceu comentários do edil.

Artigo relacionado

Aveiro: Delegação de competências nas Juntas passa a fazer parte da “normalidade”