A portuguesa de Vagos que coseu as bainhas da bandeira deixada pela Apolo 11 na Lua

289
Maria Isilda Ribeiro, ex emigrante nos EUA.
Smartfire 728×90 – 1

Só após muita insistência, apelando à importância da efeméride lunar, e até invocarmos o motivo de orgulho, Maria Isilda Ribeiro, quebrou o silêncio a que, nos últimos anos, se remeteu, sempre que abordada para falar do episódio que a tornou famosa, ao saber-se que foram as suas mãos a dar os retoques finais à bandeira norte-americana deixada na Lua durante a histórica missão Apollo 11.

Aos 20 anos, Maria Isilda Ribeiro rumou à América casada de fresco. Com a ajuda de familiares radicados em Nova Jérsia não demorou a arranjar trabalho numa fábrica de bandeiras, a Annin & Company, que será a mais antiga do mundo a laborar. “Foi logo trabalhar. A minha sogra estava na fábrica e eu e minha cunhada fomos parar lá. Tinha aprendido a costurar com umas tias da minha mãe e fiz um curso cá”, contou na sua casa em Soza, no concelho de Vagos, onde goza a reforma (reportagem da Rádio Renascença).

Publicidade, Serviços & Donativos