Ovar: Socialistas insistem em nova zona industrial

590
Paços de Concelho, Ovar.
Smartfire 728×90 – 1

PS insiste na “necessidade de se criar com a urgência devida uma nova zona de actividades económicas” prevista em Ovar Sul no Plano Diretor Municipal (PDM).

A proposta socialista, apresentada há meio ano, foi retomada na última reunião do executivo de maioria PSD.

Os vereadores ´rosa´ defendem uma “atitude pró-activa na atração de investimento produtivo para o concelho”, impondo-se alternativas de localização atendendo a que “praticamente não existirem terrenos disponíveis na actual zona industrial de Ovar”.

Aquando da apresentação inicial da proposta, o PS solicitara a criação de um grupo de trabalho para definir os contornos da expansão industrial, o que não foi aceite na altura pela presidência de Salvador Malheiro. Mas o PSD assumiu que iria analisar o assunto e pedir estudos técnicos.

Vitor Amaral, vereador socialista, aproveitou a última reunião para renovar uma série de questões sobre o projeto e lamentar “a total ausência de informação”, que relaciona com o facto de não figurar nas prioridades do executivo.

“Entendemos ser esta uma matéria de especial relevância para o futuro do concelho. Num momento em que os nossos vizinhos da Feira promovem ´Road Shows´ junto de investidores estrangeiros para promoverem a instalação de empresas no seu concelho, seria altamente reprovável este executivo não ter em atenção a necessidade de potenciar as condições necessárias ao desenvolvimento económico do concelho de Ovar”, refere o eleito do PS no habitual balanço das reuniões de Câmara.

O PS considera que a expansão da zona industrial de Esmoriz e a criação da zona de Maceda, “embora importantes, não são suficientes”, pelo que apenas a expansão em Ovar Sul, “pela sua dimensão e localização” dará “resposta cabal às necessidades do concelho.”

E, assim, evitar-se-á, dizem os socialistas, que o concelho seja votado “a um ostracismo de todo reprovável, cristalizando a possibilidade de se poderem vir a obter novas receitas correntes decorrentes não só da actividade das empresas que se venham a instalar nos novos espaços, mas também as que se gerem pela fixação de novos habitantes.”

“Uma estratégia de desenvolvimento” que o PS gostaria de ver avançar como prioritária “independentemente dos partidos que num determinado momento gerem o executivo camarário”.