Os empregos do futuro vão depender do coração

468
Imagem hablemosdeempresas.com

A ideia é de Minouche Shafik, presidente da Universidade de Columbia, e encontra-se em A Coragem para Liderar, de Brené Brown (Nascente): os empregos do passado dependiam dos músculos; os do presente dependem do cérebro; os do futuro dependerão do coração.

Por Miguel Pina e Cunha *

Está a ler um artigo sem acesso pago. Faça um donativo para ajudar a manter o jornal online NotíciasdeAveiro.pt gratuito.

A ideia, porventura desafiante, parece suportada por investigação recente e obriga a pensar. No passado, o trabalho braçal prevaleceu até ser substituído, em resultado das sucessivas revoluções industriais, pelo trabalho mental.

A atual economia do conhecimento empurra algum trabalho para os novos algoritmos: decisões programáveis serão tomadas por sistemas de inteligência artificial. Às pessoas caberá trabalhar com o “coração”: sustentar relacionamentos criadores de valor e trazer soluções criativas. Os novos líderes liderarão com um reportório de soft skills mais alargado.

Precisamos que essas soft skills sejam usadas para encontrar soluções colaborativas para problemas complexos. Mas a verdade é que na política, na vida empresarial e mesmo na vida associativa, a vontade de reforçar identidades únicas parece prevalecer sobre o desejo de criar pontes inter-identitárias.

O resultado está à vista: polarização, gritaria, falta de acordo mesmo sobre aquilo em que todos estamos de acordo. Maus augúrios. Trabalhar com o coração não devia ser isto. E implica uma boa dose de razão.

* Diretor da revista Líder.

Siga o canal NotíciasdeAveiro.pt no WhatsApp.

Publicidade e serviços

» Pode ativar rapidamente campanhas promocionais no jornal online NotíciasdeAveiro.pt, assim como requisitar outros serviços. Consultar informação para incluir publicidade online.