“O nosso Bairro”

1579
Bairro da Beira Mar, Aveiro (Foto de João Ramos).

Sabemos que o actual Executivo Camarário prepara uma intervenção no Bairro da Beira Mar. Mas que intervenção? Os residentes foram ouvidos? Fazendo um paralelismo com a Costa Nova, alguém se lembrou de alterar as fachadas dos palheiros?

Por Ana Maria Seiça Neves *

Este artigo é publicado por NotíciasdeAveiro.pt no âmbito do espaço de opinião mensal disponibilizado aos partidos com representação na Assembleia Municipal de Aveiro, que foram convidados a ocuparem com tema livre.

O Bairro da Beira Mar é um bairro histórico da nossa cidade e o mais antigo, inicialmente, era chamado Vila Nova, por se localizar fora das muralhas medievais. Habitado por pescadores, que exerciam a sua actividade na Ria e também por marnotos, pois havia muitas marinhas de sal ali próximas e como se deslocavam de barco, vivendo próximos da Ria a sua deslocação para o trabalho estava facilitada. Com o decorrer dos anos os moradores residentes passaram a ser outros, pois a pesca já não se fazia por ali e as marinhas de sal, sobretudo por falta de apoios governamentais, foram abandonadas.

O Bairro da Beira Mar tem características próprias que têm vindo ,aos poucos a desaparecer ,ou melhor ,têm vindo a tentar o seu desaparecimento.

As casas da Beira Mar eram normalmente estreitas, com uma janela e uma porta para a rua, estendendo-se no seu interior ao longo de um corredor, os diversos compartimentos. As suas fachadas forradas a azulejo e, maioritariamente, de rés-do-chão..

As casas encontravam-se sempre abertas, sinal de grande confiança entre os vizinhos e porque todos se conheciam.Porém, mudam-se os tempos e mudam-se os hábitos.Hoje assiste-se a uma descaracterização enorme deste Bairro.

Ao invés de se manter a traça original, assiste-se à construção em altura, variando o número de pisos. As fachadas desvirtuadas por modernismo desadequado às características do Bairro e a sua traça desrespeitada.

Não sendo contra a modernidade devem, contudo, manter-se as características que fazem deste Bairro um atractivo turístico. Este atractivo é exactamente pelas características que ainda existem, nomeadamente as fachadas forradas a azulejo ou pintadas em tons claros .

A mistura de estilos que hoje se vê neste simpático e aprazivel bairro em nada o beneficia. E os exemplos são muitos!

Basta um pequeno passeio para vermos paredes pintadas das mais variadas cores, ou até forradas de metal fazendo lembrar os frigoríficos dos talhos, ou prédios modernos com tons escuros ou revestimentos metálicos que descaracterizam o Bairro.

Sabemos que o actual Executivo Camarário prepara uma intervenção no Bairro. Mas que intervenção? Os residentes foram ouvidos? Fazendo um paralelismo com a Costa Nova, alguém se lembrou de alterar as fachadas dos palheiros?

Aqui, neste Bairro agora tão turístico e apelativo, devem conservar-se as suas características acompanhando a modernidade.

Não vale tudo numa “intervenção”. Não vale tudo quando se pretende fazer algo de novo sem ter em consideração a história e as características de um Bairro tão emblemático.

Gostamos de ver os turistas e gostamos de os acolher, mas não gostamos nem queremos nem aceitamos que os moradores não sejam ouvidos.

Quanto ao trânsito e o estacionamento de que tanto se fala, devem ser preservados os direitos dos moradores,nomeadamente a direito a estacionar ,que aliás hoje em dia para o fazerem têm de obter um cartão de residente e anualmente pagar uma taxa para esse fim .

Porém os moradores diariamente vêm os seus direitos violados já que o estacionamento nas suas ruas é ocupado por não residentes.Torna-se pois necessário uma fiscalização mais apertada para cumprir a lei .

A Praça do Peixe é também uma das zonas emblemáticas deste Bairro. Inicialmente era ali que se vendia o peixe para toda a cidade, era pólo de atracção não só para os vendedores de peixe ,mas também foi local para a instalação de vários tipos de comércio.

O desenvolvimento e a alteração do modo de vida ,nomeadamente com o aparecimento de supermercados e grandes superfícies comerciais levou a uma menor procura de peixe na praça. Em consequência os restaurantes tradicionais ali existentes, uns fecharam e outros deram origem a bares e outros restaurantes.

Praça do Peixe, hoje está rodeada de bares e é centro da vida nocturna da cidade ,atraindo muitas pessoas, sejam visitantes ou não, com tudo o que isso implica.

Os moradores daquelas ruas circundantes queixam-se há anos do barulho que não lhes permite descansar, porém até hoje esta situação não foi resolvida,

Não sou contra a existência dessa zona de lazer, mas exige-se grande fiscalização pois o direito dos moradores não é incompatível com a existência dos bares e dos restaurantes.

Não sou contra a modernização do Bairro da Beira-Mar mas sim contra a descaracterização que não tenha em consideração as suas características,como se verifica hoje em dia com a amalgama de estilos e revestimentos das fachadas das casas.

Hoje os habitantes do bairro já não são pescadores, nem marnotos.mas pessoas que nasceram aqui e outras que escolheram este local para viver e não querem que o Bairro se transforme num local igual a qualquer outra zona da cidade.O Bairro é diferente e deve continuar a ser diferente.

* Eleita do PS na Assembleia Municipal de Aveiro.

Publicidade, serviços e donativos

» Está a ler um artigo sem acesso pago. Faça um donativo para ajudar a manter o NotíciasdeAveiro.pt de acesso online gratuito;

» Pode ativar rapidamente campanhas promocionais, assim como requisitar outros serviços.

Consultar informação para transferência bancária e aceder a plataforma online para incluir publicidade online.