“Muitos alunos” ainda não regressaram às aulas na Secundária de Esgueira

2346
Escola Jaima Magalhães Lima, Esgueira (arquivo).

“Este regresso às aulas, causado pela questão do Covid 19, está a ser um verdadeiro desafio, passamos de videoconferências, de trocas de e-mails com os professores e com os nossos colegas a um encontro que nos coloca verdadeiramente à prova, os últimos dias têm sido uma azáfama”.

Óscar Melindra, que faz parte da Associação de Estudantes da Escola Básica e Secundária Dr. Jaime Magalhães Lima, é um dos muitos alunos da secundária que recuperou, nos últimos dias, a rotina das aulas presenciais após o período de confinamento.

Nos preparativos, quando a diretora do Agrupamento de Escolas de Esgueira convocou uma reunião por vídeo conferência, “por incrível que pareça, a assistência foi tão grande que em segundos forma esgotados os limites impostos pela plataforma zoom, ficando assim alunos sem poder assistir à mesma”.

Passou, ainda assim, a mensagem principal: “a preocupação em garantir a segurança dos alunos”. Pais e alunos mostraram ter imensas dúvidas sobre este regresso “e todas tiveram uma resposta da diretora”.

Ainda assim, fica um alerta: “Muitos alunos não querem vir porque não têm como se deslocar para a escola, ou seja, não têm transporte escolar, ou porque acham que as aulas à distância são suficientes”.

Na escola, à entrada e no interior, “verificou-se que os alunos tentam respeitar as normas impostas pela direção ao máximo e que está tudo tão bem organizado, que a própria organização incentiva-nos a respeitar as normas e de certa forma a cooperar para que possamos enfrentar o vírus da melhor forma”, refere Óscar Melindra.

A divisão dos espaços e a marcação de circuitos para cada turma ajudam levando o representante dos alunos a “felicitar e agradecer todo o empenho e trabalho, demonstrados por toda a comunidade educativa da nossa escola.”

A diretora do agrupamento, Helena Libório, esclareceu que faltaram ontem durante todo o dia nove alunos no conjunto de todas as turmas. “Há um número residual de alunos de outros concelhos – Oliveira do Bairro, Vagos, Mira e Ílhavo – que têm mais dificuldade com os transportes”, explicou.

Artigo relacionado

“A escola voltou a pulsar”

Publicidade, Serviços & Donativos