Governo português suspende cautelarmente licença de pesca do ‘Calvão’, que está apresado na Argentina

5118
Navio de pesca 'Calvão'.
Dreamweb 728×90 – Video I

O Governo português suspendeu preventivamente a licença atribuída ao navio fábrica de bandeira nacional ‘Calvão’, que foi apresado este domingo por alegada pesca na Zona Económica Exclusiva (ZEE) da Argentina e desobediência à Guarda Costeira daquele país. A empresa já rejeitou quaisquer ilegalidades.

A informação foi dada esta tarde pelo Ministério do Mar em comunicado. “Logo que o incidente teve lugar, e após verificação de fortes indícios da prática de infração por pesca fora da zona autorizada, a Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM), enquanto Autoridade Nacional de Pesca, iniciou um procedimento com vista à instauração de um processo contraordenacional, com aplicação da medida cautelar de suspensão da licença e da autorização de pesca”, refere a explicação governamental tomada no âmbito do quadro legal que estabelece o regime sancionatório aplicável ao exercício da atividade da pesca comercial marítima.

Ainda segundo o Governo, o navio suspendeu a operação e encontra-se neste momento a navegar para o Porto de Baía Blanca, na Argentina, onde ficará retido.

“Portugal irá agora desenvolver o processo contraordenacional aplicável nos termos da lei ao navio de bandeira portuguesa e encontra-se, naturalmente, disponível para colaborar com as autoridades argentinas na investigação”, acrescenta o Ministério do Mar.

O navio arrastão com pavilhão português, que pertence à empresa aveirense António Conde, do grupo Empresa de Pesca de Aveiro (EPA), encontrava-se autorizado para a pesca em águas internacionais do Atlântico Sudoeste, zona FAO 41, mais concretamente entre os paralelos 41.º 30’ S e 47.º 30’ S, fora das ZEE da República da Argentina e Ilhas Falkland (Ilhas Malvinas).

“Nenhuma ilegalidade”, garante empresa proprietária do navio

O armador informou, num comunicado, que o ‘Calvão’ estava a fazer a sua faina normal, dentro da legalidade quando foi interposta pela Marinha de Guerra argentina.

O navio pescava em águas internacionais, fora da jurisdição da Argentina, pelo que o aprisionamento foi ilegal.

“Não fugimos, continuámos a fazer a nossa operação normal, pescando, visto que não tínhamos cometido nenhuma ilegalidade”.

Os 33 tripulantes encontram-se bem, estando o processo a ser acompanhado pela embaixada portuguesa em Buenos Aires e por advogados contratados pela empresa do grupo Empresa de Pesca de Aveiro (EPA).

Artigo relacionado

Navio português retido na Argentina tinha cartas marítimas erradas

Navio ‘Calvão’ apresado na Argentina por desrespeitar zona de pesca exclusiva

Publicidade, Serviços & Donativos