Futebol / CdP: ‘Golão’ de Yannick merecia vitória (Beira-Mar 2 – U. Santarém 2)

1444
Beira-Mar retira camisola 18 como homenagem a Pedro Moreira.

Apesar do maior domínio e de ter criado mais oportunidades, o Beira-Mar não foi além de um empate (2-2), este domingo, em Aveiro, na receção ao União de Santarém, a contar para a segunda jornada do Campeonato de Portugal, série C.

Um embate entre equipas que vinham de vitórias na ronda inaugural, com o desfecho a ser lisonjeiro para os visitantes. Do lado contrário, terão ficando motivos de queixa da arbitragem (três golos anulados e uma grande penalidade duvidosa), mas também culpas próprias, quer a defender quer na finalização.

A formação aveirense, que surgiu com o mesmo onze inicial de Leiria (0-1), esteve mais perto de abrir o marcador , o que aconteceu pouco depois de Isaac Cissé ser derrubado ao intercetar um mau atraso (lance semelhante ao golo de Leiria).

Dieguinho seria mais feliz ao aproveitar uma bola devolvida da grande área na sequência de um ataque (22m), desferindo um remate que colocou os locais, merecidamente, em vantagem.

O União de Santarém não precisou de se aplicar tanto para igualar, com mérito para um cruzamento arrancado da direita por Serginho. A bola acabou do lado contrário, sendo rematada para a pequena área, onde Batista fez tabela, finalizando de cabeça (29m)

A reação aveirense arrastou-se até o médio ofensivo Yannick Semedo resolver arriscar,  desferindo um grande remate, ‘do meio da rua’, que entrou no ângulo (38m).

A nova vantagem durou, no entanto, pouco tempo até ser anulada pela segunda vez.

Os forasteiros beneficiaram na melhor altura de uma grande penalidade (41m) por suposta ‘carga’ de Rodolfo sobre Leo. Miotti ainda defendeu à primeira o remate de Ruben Oliveira, mas foi incapaz de suster a recarga do mesmo jogador.

O Beira-Mar pareceu regressar dos balneários algo ’emperrado’, o que foi ultrapassado com alterações a partir do banco. Aparício e Moussa, de uma vez, e depois Cícero, entraram numa aposta declaradamente ofensiva, conseguindo travar a fase mais intensa, ainda que continuando sem criar perigo de maior, dos forasteiros.

Os aurinegros tiveram oportunidades para sentenciar a partida quando os ribatejanos procuravam defender o ponto.

Moussa, desmarcado por Cícero, viu André Pires desviar in extremis para canto. Mais flagrante, João Nogueira, bem posicionado, permitiu a defesa de Diogo Ferreira. Praticamente a esgotar os 90 minutos, Cissé, assistido por Aparício, viu um golo ser anulado por pretenso fora de jogo.

Ficha

Estádio Municipal de Aveiro

Beira-Mar:

12 Gabriel Miotti, 20 João Nogueira, 3 Edgar Almeida, 26 Luís Breda, 28 Rodolfo Simões; 13 Rui Sampaio (cap), 6 Fábio Vieira (17 Moussa Cissé, 57m) 30 Yannick Semedo, 11; Dieguinho (10 Pedro Aparício, 57m), 19 Isaac Cissé, 21 João Caminata (9 Cícero, 71m).

Suplentes – 1 Hugo Carvalheira (GR), 7 Artur, 10 Pedro Aparício, 27 Kwanku Boateng, 9 Cícero, 17 Moussa Cissé.

Treinador: Ricardo Sousa.

U. Santarém:

97 Diogo Ferreira; 4 Cajarana, 44 Hugo Grilo,12 Yaka Medina, 21 Nuno Longo; 88 Serginho (52 André Pires, 63m), 19 Carlos Saavedra, 7 Pedro Ganhão – cap (27 João Martins, 73m), 14 Tiago Baptista; 23 Rúben Oliveira, 17 Leo Mofreita (28 José Pratas, 82m) .

Suplentes – 1 Alberto Coli (GR), 3 Miguel Lopes, 8 Tomás Cardoso, 10 Fabinho, 27 João Martins, 28 José Pratas, 52 André Pires.

Treinador: André Luís

Árbitro: Paulo Ferrás (AFLeiria) , Nuno Carreto e Telmo Rodrigues.

Ação disciplinar

Cartões amarelos: Nuno Longo (20m), Rui Sampaio (41), Saavedra (44m), Ruben Oliveira (54m), Batista (74m), Diogo Ferreira (84), Egar Almeida (93m).

Declarações

“Acho que não nos devemos centrar numa má arbitragem, ela aconteceu mas não devemos centrar nisso. Mas centrar no que estava ao nosso alcance. Independentemente das dificuldades que o árbitro nos criou, tivemos todas as condições e mais algumas de levar o jogo de vencido. Cometemos dois erros defensivos nos golos. Acaba por ser uma aprendizagem. Ficámos aquém do que podemos e vamos fazer. Ganhamos um ponto contra um candidato assumido, tivemos por cima do jogo, tivemos as nossas oportunidades, três golos anulados, conseguimos reagir contra o tempo que o adversário demorava. Este campeonato vai ser assim. No geral, fico satisfeito com a equipa perante um adversário que veio jogar para o empate” – Ricardo Sousa, treinador do Beira-Mar.

“Não é fácil jogar contra um adversário com o potencial do Beira-Mar. Marcaram primeiro, estiveram na frente. Acabou por ser um resultado importante. O Beira-Mar foi superior, com maior caudal ofensivo. Mas ambas foram eficazes. Equilibrámos na segunda parte, não conseguimos acertar as marcações até lá. Temos motivação, é uma equipa totalmente amadora, falta-nos na parte final os treinos. É um resultado meritório, fomos soberbos no espírito de grupo. A equipa estava receosa de sofrer um golo nos últimos minutos” – André Luís, treinador do U. de Santarém.

Camisola 18 será sempre de Pedro Moreira

O Beira-Mar retirou a camisola 18 do plantel, colocando-a, simbolicamente, junto ao relvado do EMA como forma de reconhecer a carreira de uma década em Aveiro do ‘capitão’ Pedro Moreira, agora retirado das competições mas incluído na estrutura do futebol aurinegro. “Todo o carinho é insuficiente. Esteve sempre com o clube e os adeptos, mesmo no momentos mais difíceis”, vincou o presidente Hugo Coelho na homenagem feita ao intervalo do jogo deste domingo.

Pedro Moreira expressou o “misto de emoções” que sentia naquele momento, “um dos dias mais difíceis” da carreira, “em que tudo termina”, mostrando-se empenhado em continuar a apoiar o Beira-Mar “para voltar ao lugar de onde nunca devia ter saído”, que é a primeira divisão.

Artigo relacionado

Beira-Mar: Pedro Moreira ‘pendura as botas’ e passa à estrutura diretiva

Anadia vitorioso

Quanto às restantes equipas da região, o Águeda empatou na receção ao Caldas (1-1) e o Anadia venceu o Condeixa em casa (2-1).

Resultados da jornada em https://www.zerozero.pt/edition.php?id_edicao=135697

(em atualização)