Empreitada de desassoreamento avança para a Ria de Aveiro em junho

1988
Ria de Aveiro.
Smartfire 728×90 – 1

A sociedade Polis Litoral Ria de Aveiro informa que consignou a empreitada de desassoreamento da Ria de Aveiro ao consórcio vencedor.

A obra de transposição de Sedimentos para Otimização do Equilíbrio Hidrodinâmico, no valor de 17,5 milhões de euros, estará a cargo do agrupamento de empresas Etermar, MMAS, Rhode Nielsen.

A empreitada iniciou-se no passado dia 23 de abril e terá um prazo de execução de 15 meses, adianta a empresa Polis.

De acordo com uma nota de imprensa da Polis, os primeiros trabalhos a executar serão os de montagem de estaleiro, prospeções arqueológicas, implantação das contenções em madeira para os depósitos de sedimentos nas margens da Ria e montagem das linhas de repulsão desde os canais da Ria até aos locais previstos para a repulsão ou deposição dos sedimentos.

“A partir de junho iniciarão os trabalhos de dragagem nos Canais de Mira e de Ovar. Posteriormente as dragagens avançarão para os Canais da Murtosa e de Ílhavo (Rio Boco), restantes esteiros e Canais do Lago do Paraíso e da Zona Central, sendo mobilizadas 5 dragas para toda a operação”, lê-se.

A Polis lembra que está previsto dragar cerca de 1 milhão de m3 de sedimentos nos canais de Ovar até ao Carregal e até Pardilhó, da Murtosa, de Ílhavo (rio Boco), de Mira, no Lago do Paraíso e na Zona Central, numa extensão global de 95 km, “cujo objetivo passa também pelo reforço de margens e motas em zonas baixas ameaçadas pelo avanço das águas e da deriva litoral, contribuindo desta forma para a minimização de riscos, especialmente de erosão costeira.”

A operação é financiada pelo POSEUR – Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos, com uma comparticipação de 75%, sendo a contrapartida nacional assegurada pelo capital social proveniente do Estado e pelas Águas do Centro Litoral, no que respeita à estabilização das suas condutas.

Publicidade, Serviços & Donativos