Direitos postos em causa na hotelaria e restauração

3879
Restauração.

Há milhares de trabalhadores da restauração e bebidas que estão a ser obrigados a trabalhar, mas têm 3 e 4 meses de salários em atraso, vêm os seus direitos postos em causa, designadamente os horários, o descanso semanal e as férias.

Por António Baião *

O setor da hotelaria e restauração vive uma crise social profunda.

Milhares de trabalhadores da hotelaria estão a trabalhar sem gozar férias, fazem trabalho suplementar que não é pago, outros continuam em lay-off e com os seus magros salários reduzidos brutalmente, situações ilegais de trabalhadores a trabalhar 40 horas, mas a empresa indicando que estão em lay-off parcial, o desemprego alastra-se e as associações patronais e empresas não querem ouvir falar em aumentos salariais.

Há milhares de trabalhadores da restauração e bebidas que estão a ser obrigados a trabalhar, mas têm 3 e 4 meses de salários em atraso, vêm os seus direitos postos em causa, designadamente os horários, o descanso semanal e as férias.

Nas indústrias alimentares, não obstante o aumento da produção e dos lucros neste tempo de pandemia, o patronato também recusa a negociação da contratação coletiva e os aumentos salarias.

Assim, a FESAHT/ Sindicato, na reunião do seu secretariado executivo, decidiu realizar uma quinzena de luta a nível nacional, do dia 27 de julho a 7 de agosto, para lutar pela reposição de todos os direitos e por melhores salários, designadamente:

– anulação das férias forçadas;
– anulação dos bancos de horas forçados;
– anulação de todos os despedimentos desde o dia 1 de março;
– criação de um fundo especial, financiado pelo Orçamento do Estado, para assegurar o pagamento dos salários dos trabalhadores de empresas em dificuldades reais;
– reposição dos salários a 100%;
– reposição dos prémios, bem como do subsídio noturno e do subsídio de alimentação retirados aos trabalhadores;
– reabertura imediata de todas as empresas e o pagamento imediato dos salários em atraso;
– condições de trabalho dignas e a proteção da saúde e segurança no trabalho;
– negociação da contratação coletiva;
– aumentos salariais dignos e justos.

* Presidente da direcção do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Centro.

Publicidade, Serviços & Donativos