Derrota do Beira-Mar em Vila Meã foi “um resultado completamente injusto” – Miguel Valença

648
Vila Meã - SC Beira-Mar (Foto divulgada pelo Facebook do SC Beira-Mar).
Smartfire 728×90 – 1

O Beira-Mar voltou a dar ‘um passo atrás’ na ambição de chegar aos lugares cimeiros ao perder em Vila Meã (2-1). Miguel Valença atribui a derrota à eficácia dos locais e deixou criticas duras à arbitragem.

Está a ler um artigo sem acesso pago. Faça um donativo para ajudar a manter o jornal online NotíciasdeAveiro.pt gratuito.

Artigo relacionado

Beira-Mar volta a ‘descarrilar’ (derrota em Vila Meã por 2-1)

Nas declarações em jeito de balanço difundidas pela rádio Terranova, o treinador aveirense começou por lamentar a ‘falta de pontaria’ dos seus jogadores em momentos que poderiam ter chegado ao golo. “O Vila Meã teve uma eficácia a 100 % , nós temos sete oportunidades claras na primeira parte e não fazemos. Depois surgiu o golo, aí é verdade que foi um soco no estômago. Na segunda parte, com as mexidas, ficámos melhor”, referiu. Mesmo depois de sofrer o segundo desaire, o Beira-Mar continuou as investidas atacantes e reduziu a desvantagem, sem conseguir chegar ao empate que poderia resultar num ‘mal menor’.

Miguel Valença estava mais revoltado com a arbitragem. “Não é arranjar desculpas, não sou desses. Árbitros a chamarem ‘filhos da puta’ aos meus jogadores, a encazinar o jogo todo… A partir do golo nunca existiram bolas, sempre paragens, lançamentos, faltas. É normal, é futebol, mas o árbitro está aqui para ver as coisas e dá cinco minutos de descontos depois de seis paragens para as substituições ? Acho que ainda gozou mais com a nossa cara”, disse, acusando a equipa de arbitragem de influenciar o resultado.

A derrota acaba por ser um duro revés. “A vitória da semana passada só fazia sentido se vencêssemos hoje, mas o grupo de trabalho tentou tudo por tudo. A partir dos golos que sofremos, acabámos por ser empurrados pela equipa que não podia entrar em campo, que não podia ser influente, que foi a equipa de arbitragem”, insistiu.

O treinador apelou à equipa para “levantar a cabeça” apesar de falhado o objetivo traçado para a partida que era ficar mais próximo do terceiro lugar. Temos de continuar a nossa luta”, sublinhou.  Depois de “um resultado completamente injusto, em que no mínimo dos mínimos tínhamos de garantir sempre um ponto”, no próximo domingo, em Aveiro, com o ‘lanterna vermelha Lamelas, será o último jogo do ano, em que “só os três pontos interessam”.  Miguel Valença não espera facilidades, pelo contrário. “Toda a gente está sempre contra o Beira-Mar, não querem tirar o Beira-Mar do sítio onde está, é sempre contra tudo e contra todos e quando damos um golo de vantagem complicamos sempre a nossa tarefa”, avisou.

Discurso direto

“Após a vitória na semana passada, era muito importante dar seguimento, vimos num processo de restruturação, para ir recuperando na tabela classificativa. Era um jogo extremamente difícil, contra uma equipa com outras ambições. Mas com a nossa humildade, estratégia e eficácia, sofrendo na parte final, como sabíamos, e felizmente conquistámos três pontos importantes para a nossa luta. Agora é dar continuidade” – João Pedro Coelho, treinador do Vila Meã.

Siga o canal NotíciasdeAveiro.pt no WhatsApp.

Publicidade e serviços

» Pode ativar rapidamente campanhas promocionais no jornal online NotíciasdeAveiro.pt, assim como requisitar outros serviços. Consultar informação para incluir publicidade online.

Comercio 780