Complexo da academia do Beira-Mar pode ficar operacional até ao final do ano

3205
Apresentação do complexo de treinos do EMA, Aveiro.

As chaves do futuro complexo de campos de treinos do Estádio Municipal de Aveiro (EMA) poderão ser entregues ao Beira-Mar, futuro inquilino, para os primeiros pontapés na bola, dentro de meio ano. Esse é o prazo de construção da obra de 3 milhões de euros, suportados inteiramente pela Câmara Municipal.

Uma área de 35 mil metros quadrados, com quatro campos: dois de futebol de 11 (com marcações para futebol de 7 e 5), um de futebol 7 (todos com piso sintético) e um de 9 (sendo este o único único com relva natural). O projeto contempla ainda um edifício de 1500 metros quadrados, polifuncional, que servirá também para acolher bancadas com um milhar de lugares.

“Em última instância, é um centro de formação”, sublinhou o presidente da Câmara ao intervir esta sexta-feira à tarde numa sessão organizada para assinalar o arranque da obra e a assinatura do contrato de desenvolvimento desportivo com o Beira-Mar, aprovado recentemente, envolvendo um subsídio de 83.500 euros.

Ribau Esteves qualificou como “inacreditável” a demora na execução do complexo de treinos, já lá vão 16 anos depois do Euro 2004 e 20 após o início da construção do estádio de 70 milhões de euros, que sendo “uma boa ideia” está incompleto até hoje. “Que vida ficou no estádio ? Não veio vida nenhuma”, disse, lamentando “a rentabilidade social muito baixa” atual, que se resume a um jogo de 15 em 15 dias.

O edil renovou o empenho em dinamizar o EMA, que também será entregue ao Beira-Mar, com novos equipamentos nos terrenos envolventes. Desde logo, localizando ali o pavilhão em fase inicial de elaboração de projeto (5 milhões de euros de investimento previsto) e, mais adiante, uma piscina municipal.

“O complexo de campos de treinos é a possibilidade de ter um clube” – Hugo Coelho, presidente do Beira-Mar

“Estamos habituados aos desafios e estamos a ganhá-los. O complexo de campos de treinos é a possibilidade de ter um clube, só o conseguimos com estabilidade e confiança.
Fizemos um trabalho conjunto, às vezes com discussões acesas, mas sempre a partilhar o mesmo caminho. Duas instituições, com confiança mútua, que é a base de todo o trabalho.
É um projeto estrutural que aguardamos há 20 anos, mas não foi essa dificuldade que nos fez abrandar. Daqui para a frente vamos ter muitas vitórias, dos petizes aos veteranos, são 600 atletas, com uma formação a crescer, e a afirmação dos séniores.
Podemos ter aqui a família beiramarense. Vai ser o pilar do clube”.

Artigo relacionado

Beira-Mar recebe apoio camarário de 83.500 euros após resolver diferendo com a Segurança Social

Aveiro: Obras da primeira fase da Aldeia do Futebol da AFA concluídas até agosto

Publicidade, Serviços & Donativos