Como funciona uma exchange de criptomoedas?

360
Mesa de trabalho (arquivo genérico).

As criptomoedas transformaram o panorama financeiro ao oferecerem uma forma segura e independente de trocar valores na nossa sociedade.

Baseadas na blockchain, uma tecnologia assente em redes descentralizadas que permitem a verificação inviolável de transações, as criptomoedas possibilitam a participação de qualquer pessoa, em qualquer parte do mundo, na economia global. Embora o processo possa parecer complexo, as exchanges de criptomoedas simplificam essas operações para utilizadores comuns, eliminando a necessidade de conhecimentos extensivos de finanças.

Mais do que meros intermediários, as exchanges de criptomoedas permitem-nos negociar uma variedade de moedas digitais, como Bitcoin, Ethereum e ADA. O objetivo principal dessas plataformas é fornecer uma interface intuitiva para iniciantes, exibir as taxas de câmbio das criptomoedas em tempo real e oferecer um armazenamento seguro para os ativos digitais. Além disso, elas desempenham um papel crucial na liquidez do mercado e na democratização do acesso às criptomoedas, facilitando a entrada e a participação de novos usuários no mundo financeiro digital.

Portugal: um pioneiro na adoção de criptomoedas na Europa

Portugal fez grandes avanços na adoção de cripto e é reconhecido como um dos países mais amigáveis para criptomoedas na Europa.

A nível global, a posição de Portugal no índice de adoção de criptomoedas destaca a sua postura proativa. O país beneficia de um forte ecossistema de startups de criptomoedas, com inúmeros eventos e conferências que promovem a consciencialização e inovação em blockchain. Apesar de não ser um dos países mais populosos, os esforços estratégicos do país em regulação de criptomoedas, inovação e envolvimento da comunidade posicionaram Portugal como um elemento-chave no panorama europeu de criptomoedas.

Os diferentes tipos de exchanges de criptomoedas

Como vimos anteriormente, as exchanges ou corretoras são as plataformas onde se podem comprar ou vender criptomoedas, então entender os seus tipos é fundamental para tomar uma decisão informada. Mas com tantas opções disponíveis, como saber qual escolher?

Vamos abordar os três principais tipos de exchanges de criptomoedas:

  • Exchanges Centralizadas

As exchanges centralizadas são o tipo mais popular para a negociação de criptomoedas, geralmente oferecendo uma interface amigável e maior liquidez do que outros tipos. Se estiver familiarizado com as trocas de ações tradicionais, verá que são bastante semelhantes. Ambas possuem uma autoridade central responsável pela gestão da corretora e mantém os fundos dos utilizadores numa localização centralizada.

Um dos principais pontos atrativos das corretoras centralizadas é a conveniência que proporcionam. São fáceis de navegar, permitem verificar as taxas de câmbio de criptomoedas mais precisas e facilitam a negociação. Além disso, oferecem suporte ao cliente, o que é bastante útil para a resolução de problemas ou esclarecimento de dúvidas.

Contudo, há um lado negativo. Uma das principais preocupações é a segurança. Como as corretoras centralizadas armazenam os fundos dos utilizadores numa localização centralizada, são mais vulneráveis a tentativas de hacking e violações de segurança. Esses ataques podem resultar na perda de fundos dos utilizadores.

No geral, as corretoras centralizadas são uma excelente opção para iniciantes ou comerciantes que procuram conveniência.

  • Exchanges descentralizadas

As exchanges descentralizadas (DEXs) podem ser exatamente o que um apaixonado por descentralização procura. Estas operam numa rede blockchain, permitindo que cada utilizador controle diretamente os seus fundos, sem a necessidade de um intermediário centralizado.

A descentralização é efetivamente a grande vantagem das DEXs. Sem um ponto central de falha, elas tornam-se mais seguras em comparação a uma exchange centralizada uma vez que os hackers não podem explorar o sistema para se apropriarem de fundos, já que estes não são custodiados por elas. Além disso, todas as transações são registadas na blockchain, o que lhes acrescenta uma camada extra de transparência.

A privacidade é outra vantagem significativa das DEXs. Não existindo uma entidade central, não há a necessidade de fornecer informações pessoais ou passar por um longo processo de verificação com essa mesma entidade para começar a negociar. Além disso, o utilizador tem controlo total sobre os seus fundos, uma vez que é o único com acesso às suas chaves privadas.

No entanto, também têm as suas desvantagens. Normalmente, são menos fáceis de usar do que as exchanges centralizadas, e o seu volume de negociação é tipicamente mais reduzido. Devido às limitações da rede blockchain, as transações em DEXs também podem ser mais lentas e mais caras para o utilizador.

Por fim, é necessário compreender que a segurança pode também ser apontada como uma das desvantagens das DEXs. Enquanto que numa exchange centralizada a responsabilidade de garantir a segurança dos utilizadores é da exchange, numa exchange descentralizada, essa responsabilidade é passada para cada utilizador, sendo que, para utilizadores menos atentos ou experientes, existe um risco acrescido de se tornarem vítimas de ataques ou cometerem algum erro que possa pôr em risco os seus fundos.

Apesar das suas atuais desvantagens, muitos especialistas preveem que as DEXs desempenharão um papel crucial no futuro do trading de criptomoedas.

Publicidade, serviços e donativos

» Pode ativar rapidamente campanhas promocionais, assim como requisitar outros serviços em NotíciasdeAveiro.pt.

Aceder a plataforma online.

O Notícias de Aveiro tem canais próprios para informação não jornalística como é o caso deste artigo »» ler estatuto editorial.