Aveiro: PS critica falta de “acolhimento da sensibilidade” dos cidadãos na revisão do PDM

420
Aveiro, Paços de Concelho.
Dreamweb 728×90 – Video I

O vereador do PS Manuel Oliveira de Sousa apontou “alguma incoerência” da maioria PSD-CDS na revisão do Plano Diretor Municipal (PDM), no que “se defende sobre a participação dos ideias dos outros” quando as mesmas não são vertidas no mais importante documento de planeamento e ordenamento do território, o que sucedeu “até com pareceres de organismos oficiais”.

“A participação tem de gerar consensos e não fazer números das participações quando depois deu em zero, no nós é que decidimos”, disse, lamentando recorrentes “dificuldades de cidadãos” em verem as suas propostas atendidas.

O eleito socialista, que falava na reunião pública extraordinária do executivo realizada esta manhã, deu o exemplo “do que está no PDM para o Rossio”, através do projeto para a requalificação do jardim, onde se prevê uma cave de estacionamento.

“Como é possível ? Qual o acolhimento da sensibilidade de uma cidade, de um município, dos cidadãos, com todo o debate feito. E o presidente o que acolhe ? O que está previsto, até escuso de abordar, os cidadãos depois irão ver, refletir, discutir e apresentar imensas propostas”, afirmou.

“O PDM, tão importante, corre o risco de ficar com a flexibilidade de ter um instrumento fundamental como lei e depois o presidente é que decide e assim estaremos durante 10 anos”, alertou ainda Manuel Oliveira de Sousa.

“Processo participadérrimo”

O edil refutou as acusações. “Quando não tem argumentos, o senhor vereador descai para deturpação da verdade”, disse, garantindo que “se há processo participadérrimo é este”, na “análise e resposta” de contributos.

“O importante foi a participação até aqui, formal e informal”, referiu Ribau Esteves, apontando ainda o trabalho da comissão acompanhamento na Assembleia Municipal.

Quanto aos exemplos dados pelo PS, corrigiu: “Estava ver que não falava do Rossio, a obra com ou sem cave é possível com o Plano Urbanística da Cidade de Aveiro (PUCA) e com o atual PDM, nada muda. E não é verdade que não houve acolhimento de pareceres, acolhemos a esmagadora maioria e foram de grande utilidade”.

Em jeito de balanço final, o autarca lembrou que a revisão do PDM “é a segunda grande reforma na gestão do município que fazemos. A primeira foi a restruturação orgânica e financeira da Câmara”.

A proposta do novo PDM acabaria por ser aprovada com os votos contra do PS, seguindo agora para consulta pública e aprovação final da Assembleia Municipal, o que acontecerá em novembro.

Artigos relacionados

Aveiro: Estudos urbanísticos para novos projetos ganham força com revisão do PDM

Aveiro: Aproxima-se o debate público e a aprovação final da proposta de revisão do PDM

Revisão do PDM vai fazer nascer “uma nova cidade” de Aveiro