Aveiro: Professores ainda podem dar contributos para a Carta Educativa

605
Escola 2,3 João Afonso, Aveiro.
Dreamweb 728×90 – Video I

O presidente da Câmara de Aveiro deixou ficar “TPC’s” (trabalhos para casa) à comunidade escolar do concelho esta terça-feira, lançando “o desafio” para a participação no inquérito público da Carta Educativa (CE), que decorre de 27 de setembro a 16 de outubro no âmbito da revisão do Plano Diretor Municipal (PDM).

Ribau Esteves falava aos professores e membros dos orgãos de gestão das escolas antes da apresentação do Programa de Ação Educativa do Município de Aveiro (PAEMA), embora sublinhado que a proposta que irá ser submetida a votação final na Assembleia Municipal em novembro “foi consensualizada” no Conselho Municipal de Educação “após três anos de trabalho intenso”.

Para além de “orientações de gestão e questões imateriais”, a CE assume no seu cronograma executar “até ao final de 2023, a qualificação total do parque escolar”, numa aposta “clara, arrojada e difícil, mas a que a edilidade tem dado “prioridade”.

Ribau Esteves fez o ponto de situação das obras em fase de elaboração do projeto (escolas básicas da Póvoa do Paço e Quintã do Loureiro) a caminho do lançamento a concurso (escolas básicas do primeiro ciclo de Azurva, Solposto, Barrocas e Esgueira) e já em curso (mais duas salas para Verdemilho e o novo primeiro ciclo de São Bernardo).

Secundária Homem Cristo é oferta necessária sem instalações adequadas

À espera de decisões do Ministério da Educação, e também de apoios estatais, encontram-se os processos de requalificação da EB 2,3 de São Bernardo e da Escola Secundária Homem Cristo, esta última com decisão política assumida de continuar a lecionar. “Ou o Governo investe no velho edifício ou constrói um novo. Está decidido que vai continuar, precisamos daquela oferta secundária. Falta saber se a tutela dá vida nova ou opta por uma novo”, explicou o autarca.

A aguardar pela nova legislatura está também o redesenho dos agrupamentos, tendo a CE servido para refletir na “ideia base” de reduzir de sete para quatro, fazendo-os coincidir com as escolas secundárias.

A Câmara já fez saber junto do Governo que aceita a partir de 2020 delegação de mais competências. O edil assumiu o compromisso de “gerir em proximidade e sem cativações” de verbas que venham a ser contratualizadas.

‘Escola Ciência Viva” abre portas em outubro

Outra das novidades do ano letivo será o lançamento da ‘Escola Ciência Viva”, um projeto em parceria com a Fábrica Ciência Viva (Universidade de Aveiro) que irá entrar em atividade a 7 de outubro. “Depositamos muita confiança nesta iniciativa para crescer a capacitação para o empreendedorismo e pela ciência, criando a prazo emprego mais qualificado”, explicou Ribau Esteves.

Tecnologias, desporto escolar e cultura merecerão também iniciativas importantes durante 2019-2020.

Artigos relacionados

Câmara tem palavra a dizer na salvaguarda do edifício do Colégio Santa Joana

Aveiro: Carta Educativa aprovada com voto contra do PS não mexe nos agrupamentos

Publicidade, Serviços & Donativos