Aveiro: Moradores de Nª Sª de Fátima lamentam que ‘cruzamento da Bica’ não passe a rotunda

5258
EN 235, Mamodeiro (Aveiro).
Smartfire 728×90 – 1

Moradores na freguesia de Nossa Senhora de Fátima reivindicaram, esta quinta-feira à noite, no período aberto ao público da Assembleia Municipal de Aveiro, a construção de uma rotunda no chamado ‘cruzamento da Bica’ da EN 235, junto ao lugar de Mamodeiro (Aveiro Sul), que está a ser alvo de trabalhos de requalificação a cargo da Infraestruturas de Portugal (IP).

“O cruzamento liga muitos destinos, por que não uma rotunda junto ao café Neto ? Passam ali muitos tratores pequenos, estava previsto no tempo do sr. Antero Santos [antigo presidente da Junta, já falecido], é uma zona central, que une as freguesias, se nos separarem vamos pertencer a Oiã”, alertou José Castro, o primeiro cidadão a abordar o assunto.

“Querem-nos separar por alma de que santo?”, reforçou Ângelo Costa, antevendo “grandes transtornos” para os residentes que pretendam chegar a serviços como a extensão de saúde ou os correios. “Vai ficar fora de mão”, lamentou.

A moradora Helena Ferreira, que perdeu uma neta atropelada mortalmente no ‘cruzamento da Bica’, mostrou desalento com a obra prevista pelo IP. “Afinal não será para uma rotunda, que é indispensável naquela zona, que é muito utilizada, não faz sentido dividir a aldeia”, insistiu.

Nas respostas, o presidente da Câmara lembrou que o IP “é o dono da obra” mas a solução teve “concordância” municipal. “Não dá para construir uma rotunda, nem mesmo ovalada”, começou por esclarecer, lembrando que o “desnível” da zona “é incompatível com o tráfego pesado”. Assumiu, contudo, que “o semáforo é uma péssima solução”.

A obra da IP prevê uma rotunda de acesso ao nó da A1, com um seguimento pela via a contornar os Armazéns Reis desembocando no acesso que irá servir empresas localizadas já em Oliveira do Bairro. “Esta é a solução para que a transposição da Bica para a Mamodeiro se faça em total segurança, numa distância que é maior do que atravessar apenas a estrada, mas com segurança muito elevada”, explicou o autarca.

Do lado poente, numa estrada secundária, o que é hoje o cruzamento da Rua Brejeira com a Rua Nova, será construída uma rotunda de menor dimensão, para servir de acesso à Bica, que ficará com entrada e saída ‘de mão’ em ambos sentidos, sem poder cruzar. Um desvio de “algumas centenas de metros”, mas garantindo um “nível de segurança muito alto”, com velocidade baixa e passadeiras sobre elevadas. “É o que está em obra no quadro do IP”, referiu.

IP comprometeu-se com “reformulação de intersecções e tratamento de travessias urbanas”

Com um investimento associado de cerca de 1,9 milhões de euros e um prazo de execução de 330 dias, a intervenção tem por objeto a reabilitação do troço da EN235 numa extensão de cerca de 2,5 km, atravessando a Freguesia de Requeixo, Nossa Senhora de Fátima e Nariz. Além dos trabalhos de reabilitação funcional e reforço estrutural do pavimento existente, a obra inclui a requalificação dos sistemas de drenagem longitudinal e de iluminação, na substituição e reforço da sinalização e equipamentos de segurança e integração paisagística, bem como, na reformulação de intersecções existentes e tratamento de travessias urbanas, nomeadamente na implementação de medidas de acalmia de tráfego e reposição de serviços afetados, bem como na reposição e complementação do canal técnico rodoviário.

Publicidade, Serviços & Donativos