Aveiro / Carta Educativa: Presidente incomodado com tónica no fecho de escolas

1152
Escola de Santiago, Aveiro.
Dreamweb 728×90 – Video I

O vereador do PS na Câmara de Aveiro criticou “a metodologia de debate” no âmbito da revisão da Carta Educativa, colocada esta semana em consulta pública.

Para Manuel Oliveira de Sousa, que falava na última reunião pública do executivo, a maioria deveria ter mantido “reuniões parcelares, diretamente” com os agentes educativos “mais envolvidos”, considerando “fundamental” garantir “proximidade” de um tema que “toca a todas as famílias.

O eleito socialista disse que poderia ter sido acautelada “alguma desconfiança em relação à preparação do documento” assim como “sinais falta de transparência”, por não ser divulgada a informação das atas das reuniões do Conselho Municipal de Educação e se desconhecer quem presentemente assume funções de representação das várias entidades naquele orgão de aconselhamento. “Ficamos sem saber exactamente quem está a trabalhar nesta matéria”, alertou.

Sem ainda entrar em abordagens, no concreto, sobre as orientações preconizadas nos “cenários” da Carta Educativa, o vereador do PS garantiu “total empenho” do partido “em adicionar o que for necessário para melhorar o documento” que ditará investimentos no parque escolar e a consequente reorganização da oferta atual.

O tema tinha sido suscitado pelo presidente da Câmara no início dos trabalhos do executivo, sem esconder desagrado por alguns ecos públicos da proposta em cima da mesa colocarem tónica na redução da rede escolar. “A revisão não é para fechar escolas, faz planeamento que depois será executado pela gestão”, insistindo que “não há decisões tomadas”.

Sobre os reparos da oposição camarária, disse que “o PS tem sempre esta atitude política negativa, quanto não tem ideias põe-se a tratar da forma. Nós tratamos da forma”.

Ribau Esteves rejeitou a falta de debate, garantindo que em três anos “ouviu muita gente, representantes”, sendo altura de ponto de elaborar o documento. Considerou o Conselho Municipal da Educação “muito representativo e participativo”.

Artigo relacionado

Ribau Esteves admite cenários controversos na revisão da Carta Educativa