A democratização da produção de espumante

386
Caves Raposeira.

Produzir um espumante de nível superior requer não apenas um profundo conhecimento (feito de experiência e ciência) como também condições e equipamentos muito específicos, que vão desde a prensagem da uva para o vinho base até ao degorgement da garrafa espumantizada.

Por Luís Ramos Lopes *

Está a ler um artigo sem acesso pago. Faça um donativo para ajudar a manter o jornal online NotíciasdeAveiro.pt gratuito.

A capa da edição da Grandes Escolhas é dedicada à Raposeira, notável casa de espumantes. Para quem cresceu nos anos 80, espumante era Raposeira. Na época, os vinhos nem seriam grande coisa, (a compra pela Seagram levou ao desinvestimento no produto e foco na distribuição, ciclo negativo que durou duas décadas, até à entrada da Murganheira) mas estavam em todo o lado. Eu que o diga, já que, na adolescência, cabia-me ir à pastelaria buscar o bolo e a garrafa de Raposeira meio-seco para comemorar aniversários e festividades familiares.

O espumante, no Portugal urbano nas décadas de 80 e 90, era isto. Doce e meio-seco, bebido a acompanhar sobremesas (a Bairrada e o leitão eram caso à parte) e reservado para eventos e momentos especiais. Esses tempos já lá vão, felizmente. Hoje, nos principais mercados vínicos do mundo, o espumante é a categoria que mais cresce. E apesar desse crescimento ser feito, sobretudo, à conta de Champagne, Prosecco e Cava, outras regiões e países produtores surfam velozes a onda das bolhinhas. Portugal não é excepção. A tendência não passa despercebida aos produtores nacionais e sinal disso é encontrarmos espumante no portefólio de tantas marcas, mesmo em regiões onde nunca houve tradição desta bebida.

A “democratização” da produção de espumante, evidentemente positiva, esconde uma vertente menos boa. É que, para muitos produtores, produzir espumante parece ser coisa fácil. Ainda mais facilitada, nos dias de hoje, pelas leveduras encapsuladas, que simplificam (não oferecendo, embora, os mesmos resultados que as leveduras livres) o moroso trabalho de removimento das garrafas. Mas se produzir um bom vinho com gás é algo aparentemente simples, criar um grande espumante não está ao alcance de todos.

Acontece que o espumante é a bebida vínica mais especializada que existe. Produzir um espumante de nível superior requer não apenas um profundo conhecimento (feito de experiência e ciência) como também condições e equipamentos muito específicos, que vão desde a prensagem da uva para o vinho base até ao degorgement da garrafa espumantizada. Não é certamente por acaso que a quase totalidade das mais famosas marcas de espumante do mundo têm origem em casas totalmente focadas neste tipo de vinho.
Poderia dar muitos exemplos, mas um bastará para percebermos o que quero dizer. Absolutamente crucial na definição da qualidade e complexidade de um espumante é a fermentação na garrafa e o estágio em cave a uma temperatura constante (idealmente 13/14ºC) ao longo de todo o ano. O tempo passado nesse ambiente faz toda a diferença. Sabendo isso, os empresários portugueses que, nas primeiras décadas do século XX, se dedicaram à produção de espumante, construíram laboriosamente túneis debaixo do chão, para ali colocar as preciosas garrafas. Apropriadamente, chamamos Caves a estas empresas.

Como é então possível que, quase 100 anos depois, e quando temos ao dispor tecnologia de climatização que os antigos nem sonhavam, tantos produtores nacionais acreditem que é possível fazer um espumante de qualidade superior deixando as garrafas empilhadas em locais que atingem 7ºC no inverno e 35ºC no verão? É por isso que os vinhos elaborados pela Raposeira (e pelos produtores que, em diversas regiões, encaram o espumante como produto principal) têm algo de diferente. Quem quiser fazer tão bem quanto eles, só tem um caminho a seguir: pensar o espumante não como um simples complemento de gama, mas como um vinho de topo, digno da máxima atenção e de particulares cuidados. O espumante e os seus apreciadores merecem.

* Diretor da Revista Grandes Escolhas. Editorial da edição de Maio.

Siga o canal NotíciasdeAveiro.pt no WhatsApp.

Publicidade e serviços

» Pode ativar rapidamente campanhas promocionais no jornal online NotíciasdeAveiro.pt, assim como requisitar outros serviços. Consultar informação para incluir publicidade online.