Vagos / Inertes: Defesa de antigo diretor da Escola Profissional da Agricultura invoca perícia para pedir absolvição

1130
Escola Profissional de Agricultura, Vagos.
Dreamweb 728×90 – Video I

“Não existem provas” para concluir que o antigo diretor da Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Vagos (EPDRV) fez negócios ilegais com uma suposta exploração de inertes, causando, além do mais, prejuízos financeiros à instituição estimados em 270 mil euros.

Posição reafirmada pela defesa de Fernando Santos nas alegações finais do julgamento que decorre no Tribunal de Aveiro.

Está em causa a prática de alegados crimes de prevaricação (1), participação económica em negócio (1) e abuso de poder (1).

“Se subsistirem dúvidas, impõe-se a absolvição”, lembrou, ainda, o advogado do ex diretor para quem a perícia pedida pelo tribunal contraria o teor de o relatório “sem rigor técnico ou científico” que sustentou a acusação do Ministério Público, concluindo que não houve rebaixamento da cota do terreno, nem remoção de areias.

A defesa do antigo diretor da EPADRV alertou ainda para a possibilidade de uma condenação com a perda de vantagens, como é pedido pelo MP, poder levar “à miséria” o arguido, professor do ensino secundária, e a sua família.

Nas alegações, o Procurador da República limitou-se a pedir justiça.

A leitura do acórdão está agendada para 30 de maio.

Artigo relacionado

Vagos: Antigo diretor da Escola Profissional de Agricultura nega negócios ilegais com areias

Publicidade, serviços e donativos

» Está a ler um artigo sem acesso pago. Faça um donativo para ajudar a manter o NotíciasdeAveiro.pt de acesso online gratuito;

» Pode ativar rapidamente campanhas promocionais, assim como requisitar outros serviços.

Consultar informação para transferência bancária e aceder a plataforma online para incluir publicidade online.