Sever do Vouga: Câmara procura atrair colocação de médicos no Centro de Saúde

1237
Paços de Concelho de Sever do Vouga (Foto Facebook da Câmara de Sever do Vouga).

Pressionada na última Assembleia Municipal a reforçar as exigências junto do Governo para a melhoria dos cuidados de saúde primários no concelho, a Câmara lembrou que está a ajudar para conseguir atrair médicos.

Desde há vários meses que as consultas nas freguesias estão reduzidas à extensão de saúde de Couto Esteves, a única que não encerrou por falta de médicos. Talhadas é outra exceção ao panorama local, mas porque a Junta de Freguesia local assumiu os encargos com a vinda de médicos, que atendem fora do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Artigo relacionado

Sever do Vouga: Posto médico da Junta de Talhadas começa a atender utentes este sábado

O Centro de Saúde de Sever do Vouga também está com médicos em número inferior às necessidades, o que levou a suspender as consultas que funcionavam aos sábados.

José Oliveira, deputado municipal do PS, lembrou que “a saúde é das maiores preocupações” da população local. E embora seja um problema que cabe ao ‘poder central’ resolver, “compete ao poder local diligenciar” junto das entidades estatais “por mais e melhores serviços de saúde”. Numa altura em que “a situação está a degradar-se todos os dias”, o eleito questionou em que ponto se encontra a elaboração de plano de saúde concelhio, que estaria “a decorrer e na parte final”.

O presidente da Junta de Talhadas, António Dias (CDS), mostrou descontentamento por informações postas a circular na sua freguesia dando conta da reabertura da extensão de saúde, levando utentes a deslocarem-se às instalações, desmarcando consultas com o médico contratado, e continuam a encontrar as portas fechadas. “As pessoas têm sido enganadas”, lamentou, pedindo que seja colocado um “aviso a dizer que não há médicos”.

Nos esclarecimentos, o presidente da edilidade, não confirmou a esperada notícia da colocação de mais médicos de família no concelho. “A responsabilidade ou competência na saúde não é seguramente da Câmara. Todos reconhecem que o Estado, o Governo, está a falhar em todos os aspetos. Não compete às Câmaras legislar ou contratar médicos”, afirmou.

Pedro Lobo deixou um alerta para “a contratação ilegal de médicos”, em referência à iniciativa da Junta das Talhadas, adiantando que até causou problemas à ação do município. “É algo que efetivamente apenas dificulta as negociações” que estão a ser mantidas com Ministro da Saúde, a Administração Regional da Saúde do Centro e o Agrupamento dos Centros de Saúde do Baixo Vouga.

“Sinceramente acho que não resolve absolutamente nada, porque contratar médicos que a única coisa que podem fazer é passar receitas, sem ter acesso, como gostaríamos e exigimos, ao SNS, isso acho que não vale de nada. Serviu apenas para inflacionar os preços dos médicos com quem estávamos a negociar para virem para o Centro de Saúde, a quem a Câmara teria de suportar algumas despesas. Agora, perante os preços que estão a pagar, exigem muito mais, o que nos dificultou muito as circunstâncias”, lamentou o autarca.

A Câmara tem negociado a contratação de profissionais para colocar no Centro de Saúde, subsidiando algumas despesas de forma a garantir cuidados de saúde primários. Há um médico já acordado, faltando ‘luz verde’ da tutela. Caberá, depois, ao diretor do Centro de Saúde atribuir-lhe as funções que entenda necessárias. Adicionalmente, foi negociado com os serviços do Ministério da Saúde a abertura de uma vaga para assistente graduado superior, procurando, com um nível salarial superior, atrair um profissional para exercer medicina. A falta de médicos em Sever do Vouga deverá agravar-se, uma vez que há mais um clínico prestes a reformar-se. Em sentido contrário, é esperado o regresso de um médico que está de ‘baixa’. No entendimento camarário, o facto do Centro de Saúde local funcionar com o modelo Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados (UCSP) torna-o menos atrativo do que as Unidades de Saúde Familiar (USF), nas quais se praticam remunerações superiores.

Publicidade, serviços e donativos

» Está a ler um artigo sem acesso pago. Faça um donativo para ajudar a manter o NotíciasdeAveiro.pt de acesso online gratuito;

» Pode ativar rapidamente campanhas promocionais, assim como requisitar outros serviços.

Consultar informação para transferência bancária e aceder a plataforma online para incluir publicidade online.