PS de Águeda pede mais “transparência” nos apoios camarários ao combate da Covid-19

472
Paços de Concelho de Águeda.
Smartfire 728×90 – 1

O PS de Águeda renovou hoje a decisão de “apoiar todas as medidas da autarquia, conducentes à minimização dos problemas criados pela situação” pandémica, mas exigiu mais informação sobre os encargos que têm sido assumidos.

Em comunicado, a concelhia veio “contestar a falta de transparência do executivo municipal, ao não fornecer aos vereadores do PS, a lista solicitada dos apoios consignados, despesas feitas, donativos recebidos e atribuídos no âmbito da atual pandemia”.

Segundo informação do presidente da Câmara, aquando da última sessão da Assembleia Municipal, que já tinham sido gastos cerca de 1 milhão de euros.

O PS aproveita para pedir “apoio logístico e se necessário financeiro, às medidas preconizadas pela Direção-Geral de Saúde, ocorrendo às situações mais urgentes de deteção de possíveis infetados, isolamento e tratamento dos mesmos”.

Pagamento das despesas comprovadas das Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) com testes a clientes e funcionários, mas também materiais de proteção e produtos de higienização, “reforçando a confiança nas suas respostas”, é outra das sugestões feitas pelos socialistas aguedenses, para quem deve ser tido em conta também o trabalho da Juntas de Freguesia “no acompanhamento das pessoas mais necessitadas, no que diz respeito à alimentação, apoio às rendas, contas de água e luz”.

No que toca à gestão camarária, o PS entendeu “reafirmar” o pedido de demissão do presidente da Câmara por “ ter mentido e continuar a mentir” à Assembleia Municipal, afirmando que “ninguém da autarquia conhecia ou tinha participado no processo de instalação da empresa de betão Socibeiral no Parque do Casarão”, entretanto anulado.

Ler comunicado completo

Publicidade, Serviços & Donativos