Ovar: Autarquia garante “saúde financeira extraordinária”, PS diz que é por não existir investimento

1138
Praça da República, Ovar.
H 728

O relatório de gestão e contas de 2019 aprovado pela Câmara de Ovar, esta quinta-feira, “comprova uma saúde financeira extraordinária”.

Garantia dada em comunicado por Salvador Malheiro, líder da edilidade, que não esquece a herança recebida no primeiro mandato. “Sempre reconhecemos que herdámos uma Câmara Municipal muito bem organizada sob o ponto de vista financeiro. Com contas certas. Mas é um orgulho, seis anos volvidos, apresentar hoje este relatório de gestão. Sentimos que estamos no rumo certo. A par de uma elevada taxa de execução, de inúmeros sonhos concretizados, continuamos a apresentar uma saúde financeira extraordinária”, refere o edil.

O saldo do exercício é superior a 1,5 milhões euros, passando de 6 milhões para um valor superior a 7,5 milhões.

“Os nossos saldos em contas bancárias são superiores a 7,5 milhões de euros e a nossa dívida de médio e longo prazo é apenas de 700 mil euros”, dá conta o autarca vareiro na nota de imprensa, adiantando ainda que a capacidade de endividamento, “que já era elevada, aumentou 23%.”

Os indicadores “significam que os impostos arrecadados e as taxas cobradas são alvo de uma gestão séria, competente e responsável. Existem poucos municípios no País com esta performance financeira”, assegurou Salvador Malheiro.

Os documentos aprovados pela maioria PSD seguiram para deliberação da Assembleia Municipal de Ovar.

Declaração de voto dos vereadores do PS (resumo)

“Vangloriam-se que a Câmara encerrou o exercício com um #saldo bancário de 7,5 milhões de Euros, só que infelizmente esse saldo nada mais representa do que obra que ficou por fazer”.

“2019 foi o ano em que por inépcia do executivo em permanência um investimento estruturante para o concelho voou para um município vizinho, referimos-nos à INEOS”.

“Foi o ano em que mau grado o facto da #rede viária concelhia ser digna de uma realidade terceiro mundista, o investimento ficou 1.285 mil Euros abaixo do orçamentado”.

“O antigo Cineteatro de Ovar, continua a ’embelezar’ o centro da cidade, não se perspectivando uma estratégia para a sua reabilitação”.

“Os custos das obras do Esmoriztur tal como prevíamos derraparam, para já, em 300.000 Euros e tememos que não só, não fique por aqui”.

“O executivo em permanência mais uma vez ficou muito longe de cumprir as legitimas ambições dos munícipes vareiros”.

Continuar a ler a declaração de voto dos vereadores do PS na Câmara de Ovar

Publicidade, Serviços & Donativos