Ílhavo celebra Dia Nacional do Mar com programa diversificado

340
"Trava Línguas" (imagem cedida pela Câmara de Ílhavo).
Dreamweb 728×90 – Video I

A Câmara Municipal de Ílhavo assinala, de 15 a 17 de novembro, o Dia Nacional do Mar com uma programação centrada na identidade do Município, espelhada no lema “O Mar por Tradição”.

A relação ancestral com o oceano e o impacto social e económico que a Pesca do Bacalhau sempre projetou no Município Ílhavo e nas suas gentes são o mote para um conjunto de iniciativas promovidas pelo Museu Marítimo de Ílhavo, das quais se destaca, pelo carácter inovador e inédito, o teatro culinário “O Presente de César. Quem vai ao mar não volta à terra”.

Esta peça, que será levada à cena na sexta-feira, dia 15, e no sábado, dia 16, no Museu Marítimo, é também um jantar de bordo com uma ementa especial, composta por sopa, prato e sobremesa e claro, o vinho que o chef gosta muito.

Um espetáculo de teatro e um jantar com sobremesa de bacalhau com sabor a ficção. Os dramas vividos em família daqueles que partem para a pesca nos mares longínquos. Tudo e todos unidos por um peixe: o Bacalhau, que se junta às migas, ao mel, ao vinho, à maçã Bravo de Esmolfe e à região Viseu Dão Lafões. Uma metáfora sobre as pessoas e Portugal que têm um papel fundamental tanto na narrativa, como nos pratos que serão servidos.

Os bilhetes para este espetáculo, limitado a 60 participantes (em cada sessão), estão disponíveis no Museu Marítimo de Ílhavo e no Navio-Museu Santo André, com o pelo preço de 12,00 euros.

Exposição fotográfica “Trava-Línguas”

No sábado, pelas 16h30, será inaugurada a exposição fotográfica “Trava-Línguas”, de João Pedro Vale e Nuno Alexandre Ferreira, que ficará patente, no Museu Marítimo de Ílhavo, até 1 de março de 2020.

A ideia desta exposição surge como resultado de uma residência artística que os autores fizeram nas Lofoten, Noruega, no âmbito da Lofoten International Art Festival. Nessa residência tiveram contacto com os tungeskjaererne (cortadores de línguas), crianças que a partir dos 5 anos começam a cortar a língua ao bacalhau. Para além do lucro imediato com a venda das línguas, este processo permite-lhes iniciarem o contacto com a pesca e com o meio marítimo. O corte das línguas é uma antiga tradição, passada de geração em geração, que permite fazer o paralelismo com os moços da pesca do bacalhau que também se iniciavam nesta atividade através do corte das línguas nas suas primeiras campanhas do bacalhau.

A programação deste Dia Nacional do Mar integra igualmente uma sessão de Yoga junto ao Aquário dos Bacalhaus, pelas 09h30, do dia 16 de novembro, destinada a famílias (limite de 8 adultos e 8 crianças com idades entre os 3 e os 7 anos), com o custo de 6,00 euros (um adulto e uma criança).

Enquadradas no ciclo “Sentidos de Mar”, estão ainda reservadas duas iniciativas do programa de ações do projeto cultural em rede “Territórios com História: o mar, a pesca e as comunidades” e que envolve os municípios de Ílhavo, Murtosa e Peniche.

No sábado, às 10h00 horas, “O Porto Bacalhoeiro e as novas ‘secas’ do Bacalhau” é a proposta para uma visita orientada à Bacalhau Barents, empresa de transformação do bacalhau, com degustação pelo chef Ricardo Marques.

Publicidade, Serviços & Donativos