Futebol distrital / Taça: “Esta equipa não se rende” – Ricardo Maia (treinador do BM)

852
Foto de Afonso Couto (CDE - Beira-Mar).
Dreamweb 728×90 – Video I

O Beira-Mar está na final da Taça Distrital depois de afastar o Clube Desportivo de Estarreja nas grandes penalidades (4-5), uma vez que no apito final do tempo regulamentar o marcador registava 1-1.

Artigo relacionado

Beira-Mar e Águeda apurados para a final da Taça Distrital de Aveiro

“O percurso na taça, de facto, foi acidentado. Três das quatro vitórias que nos permitiram estar na final, foram resolvidas nas grandes penalidades, mas devemos dizer que termos o mesmo ‘chip’ da competição principal seria mentir”, assumiu o treinador dos aveirenses.

“É verdade que jogámos sempre para ganhar, seja em que competição for, mas há diferenças”, admitiu.

Ricardo Maia apontou o dedo “ao terreno difícil” do relvado de Estarreja, mas também não escondeu que o desempenho da sua equipa ficou aquém do esperado. “Talvez tenha sido o jogo menos conseguido da Taça, não fomos tão competentes com a bola e pouco criteriosos na organização ofensiva, com muito jogo direto”, afirmou.

Depois do intervalo, verificaram-se melhorias “na definição no último terço e mais acutilantes” com chances para chegar ao segundo lugar, embora sem grande motivo de regozijo.

“Podemos chamar sorte ou o que quiserem, mas esta equipa não se rende e vai em busca da ambição nas duas competições até ao fim”, referiu Ricardo Maia, valorizando “o lado competitivo dos jogadores que supera o nível exibicional da equipa em busca dos objetivos, deixando tudo em campo por este emblema”.

Quanto ao adversário da final da Taça, o mister aveirense mostrou-se confiante na conquista do troféu, ressalvando que o Águeda “inspira o máximo de respeito”.

Discurso direto

“O Beira-Mar tem uma equipa fortíssima, incomparável, porventura, ao Estarreja. Mas estivemos fortes, muito superiores, com capacidade de construir, sair para o ataque, em explorar o corredor central, como pretendíamos fazer, criando situações de golo que nos poderiam dar outra tranquilidade. Do Beira-Mar lembro-me de um canto e do golo na segunda parte. O futebol não tem justiça. Nas grandes penalidades não é lotaria é competência, mas temos de estar muito satisfeitos com o nosso jogo” – Rui Valente, treinador do CDE.

Publicidade, serviços e donativos

» Está a ler um artigo sem acesso pago. Faça um donativo para ajudar a manter o NotíciasdeAveiro.pt de acesso online gratuito;

» Pode ativar rapidamente campanhas promocionais, assim como requisitar outros serviços.

Consultar informação para transferência bancária e aceder a plataforma online para incluir publicidade online.