Eva Lopes, a fazedora de bolos criativos que sabe atrair pela vista sem descurar o sabor

388
Eva Lopes, cake designer.
Dreamweb 728×90 – Video I

Uma cake designer portuguesa natural de Aveiro, onde tem o seu ateliê, está a dar cartas dentro e fora do País.

Eva Lopes soma duas medalhas de ouro no Sugarcraft, Cake Decorating & Baking Show, o certame internacional a que concorrem os melhores do mundo a fazer bolos criativos.

Os prémios arrastaram clientela e Eva Lopes não tem mãos a medir na sua confeitaria na pequena aldeia de Horta, arredores de Aveiro. Atrair pela vista sem descurar o sabor é o lema. “É melhor um bolo saboroso e ficar toda a gente satisfeita, do que muito bonito por fora e ninguém gostar”, diz.

Aos 32 anos, deixou de lado o trabalho em contabilidade para dedicação exclusiva aos bolos decorativos.

Agora que também é desafiada a dar formação, explica que o segredo das suas receitas implicam alguma talento, mas, sobretudo, muita força de vontade. “Os meus primeiros bolos eram horríveis. Nas formações que dou, as pessoas cometem os erros necessários para aprender as bases e poderem fazer um bom trabalho por si. Mas implica esforço”, avisa.

Na última década, o cake design ganhou visibilidade em Portugal. Eva Lopes trouxe de Londres duas medalhas de ouro nas últimas duas edições do maior e mais concorrido concurso internacional de bolos decorativos. Primeiro com um busto de Luis Camões. Este ano cativou o júri com uma réplica de guitarra portuguesa a que acrescentou uma decoração em filigrana com o coração de Viana. Sem receio de opiniões negativas. “Não podemos ter medo de arriscar, de sermos desafiantes. Se correr mal aprendemos com a experiência, as críticas negativas também ajudam”, afirma.

A cake designer quer impor-se nos grandes eventos e trabalhos para figuras públicas. E ja ostenta no cartão de visita os bolos de aniversário dos Xutos & Pontapés, Rui Veloso, da rádio RFM ou para a TVI, entre muitos outros trabalhos.

Eva Lopes publicou um livro sobre bolos criativos. E o que mais gosta nos clientes que lhe batem à porta é que sejam também “desafiadores” nos pedidos.