Cogestão da Reserva de S. Jacinto: Comissão já prepara plano de atividades

513
Centro de Acolhimento da Reserva Natural de São Jacinto.
Smartfire 728×90 – 1

A comissão de cogestão da Reserva Natural das Dunas de S. Jacinto (RNDSJ), em Aveiro, reuniu esta quarta-feira pela primeira vez após ter sido colocada em atividade por decisão do Governo.

Sob liderança da Câmara de Aveiro, que preside ao grupo, foram tratadas “matérias respeitantes ao funcionamento da comissão, ao Plano de Atividades para 2021 e ao Plano de Cogestão”.

De acordo com uma nota de imprensa do município, os assuntos em causa “terão o devido seguimento com intensidade nesta fase de arranque deste processo, que todos os presentes consideram de grande importância”.

No encontro realizado em S. Jacinto, que contou com a presença de todos os membros designados, foi “reiterado o empenho” (…) “no sucesso deste processo, contributivo para a qualificação” da RNDSJ”, cuja gestão continuará a ser “devidamente assumida” pelo Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICNF).

» A Comissão de Cogestão da Reserva Natural das Dunas de São Jacinto (RNDSJ) foi designada por quatro anos. É constituída pelo presidente da Câmara Municipal de Aveiro, que preside à comissão de cogestão, pela Diretora Regional da Conservação da Natureza e Florestas do Centro (ICNF), pelo Reitor da Universidade de Aveiro, por um Representante do Corpo Nacional de Escutas (organização não-governamental de ambiente e equiparada designada pela Confederação Portuguesa das Associações de Defesa do Ambiente), pelo Presidente da Direção da Associação Florestal do Baixo Vouga, pelo Presidente da Direção da Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos e pelo Diretor Geral do RAIZ – Instituto de Investigação da Floresta e Papel;

» A comissão tem como missão a implementação do modelo de cogestão para criar “uma dinâmica de gestão de proximidade, em que diferentes entidades colocam ao serviço da RNDSJ o que de melhor têm para oferecer no quadro das suas competências e atribuições, pondo em prática uma gestão participativa, colaborativa e articulada, visando um melhor desempenho na salvaguarda dos valores naturais e na resposta às solicitações da sociedade, e gerar uma relação de maior proximidade aos cidadãos e às entidades relevantes para a promoção do desenvolvimento sustentável desta área protegida.”

CNE renova permanência do centro de educação ambiental em S. Jacinto por mais 20 anos

O Corpo Nacional de Escutas (CNE) e o ICNF prolongaram por 20 anos o período de cedência dos terrenos usados pelo movimento escutista do centro de educação ambiental de S. Jacinto. O acordo necesse sentido foi formalizado esta quarta-feira.

Segundo a Câmara de Aveiro, “esta formalidade agora cumprida é fundamental e absolutamente necessária” para iniciar o processo, já acordado entre as partes, “de financiamento dos investimentos de qualificação deste centro que o CNE vai executar, com arranque nos próximos meses”. Um protocolo nesse sentido será assinado em breve.

Assinatura de protocolo entre o ICNF e o CNE (S. Jacinto).

Publicidade, Serviços & Donativos