CIRA ‘trava’ dragagem dos cais da Ria à espera de financiamento

1362
Cais da Bestida, Murtosa (foto divulgada pela Câmara da Murtosa).

O Tribunal de Contas (TC) deu ‘visto’ ao contrato da empreitada de dragagem de 17 cais da Ria de Aveiro, no entanto a obra, para já, fica em ‘compasso de espera’, por decisão da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro (CIRA).

Está a ler um artigo sem acesso pago. Faça um donativo para ajudar a manter o jornal online NotíciasdeAveiro.pt gratuito.

O concurso público aberto pela CIRA foi ganho pelo consórcio ETARMAR/MMAS por 3,410 milhões de euros, sendo o prazo de duração de 8 meses. O projeto inicial previa a dragagem de 22 cais, mas, por razões de prazos da candidatura a financiamento, foram retirados cinco que carecem de estudo de impacto ambiental.

Artigo relacionado

Dragagem de 17 cais da Ria em concurso público por 3,5 milhões de euros

Apesar do contrato ter recebido ‘visto’ do TC, “a empreitada não foi consignada, estando pendente do financiamento a evolução deste procedimento”, lê-se na ata do conselho intermunicipal. Além disso, foi “colocada a possibilidade de cessão de posição contratual” para a nova empresa que estava a ser preparada pelo anterior Governo com a CIRA para dar continuidade à Sociedade Polis Litoral Ria de Aveiro.

Artigo relacionado

‘Polis II’ tem “apoio” do Governo para dar continuidade à valorização da Ria e “subir os rios”

A CIRA tem acordado que a intervenção ‘complementar’ da última empreitada de desassoreamento irá ser financiada a 100% através do COMPETE 2020 (REACT-EU / Reabilitação da Rede Hidrográfica), no seguimento do protocolo celebrado com a Agência Portuguesa do Ambiente, mas tal ainda terá de ser confirmado.

Artigo relacionado

Reforçados os meios em operação nos trabalhos de desassoreamento na Ria de Aveiro

Projeto de ‘Proteção das Margens da Ria e Redução da Erosão Costeira com Sedimentos Provenientes das Dragagens das Bacias dos Cais da Ria de Aveiro’

» Requalificação de vários cais ao longo da Ria de Aveiro, através de ações de desassoreamento dos mesmos, permitindo, assim, a sua utilização em pleno, dando cumprimento aos objetivos de manutenção e reposição das condições naturais do ecossistema costeiro e lagunar;

» Assegurar a estabilidade biofísica e minimizar situações de risco de erosão e/ou cheias para pessoas e bens por via da implementação de ações de transposição de sedimentos para os locais onde haja défice sedimentar (deriva litoral) ou para reforço de margens dos canais e esteiros adjacentes aos cais;

» Contribuir para o restauro de sapais e motas, melhoria das condições de proteção de margens face a cheias, galgamentos e intrusão salina e consequente aumento da resiliência destes ambientes, permitindo assim uma otimização do equilíbrio dinâmico da Ria de Aveiro.

Ovar
Cais do Carregal;
Cais da Pedra;
Cais da Tijosa;
Cais do Puchadouro.

Estarreja
Cais da Bulhas;
Cais da Ribeira da Aldeia;
Cais das Teixugueiras.

Murtosa
Cais da Ribeira do Gago;
Cais da Bestida;
Cais do Bico;
Cais da Boca da Marinha;
Cais da Cambeia.

Ilhavo
Cais da Malhada;
Cais da Bruxa.

Vagos
Cais das Folsas Velhas;
Cais da Quinta do Ega;
Cais das Folsas Novas.

Siga o canal NotíciasdeAveiro.pt no WhatsApp.

Publicidade e serviços

» Pode ativar rapidamente campanhas promocionais no jornal online NotíciasdeAveiro.pt, assim como requisitar outros serviços. Consultar informação para incluir publicidade online.