Caça e Pesca

14597
Ria de Aveiro.

Quando era Vogal da Comissão Executiva da Região de Turismo da Rota da Luz, nos anos oitenta, tive de me deslocar à Murtosa, para falar com o Presidente da Câmara.

Por Diamantino Dias *

À chegada, fui informado que o autarca ia chegar com uma hora de atraso, pelo que me dirigi a um “snack” próximo, para beber um fininho, enquanto esperava.

Sentei-me a um balcão em U, defronte de um homem na casa dos setenta e, passados poucos minutos, chegaram três jovens que se instalaram junto dele, dizendo um:

– Ora boa tarde, Ti Manel (este nome é a única coisa inventada, nestas histórias), então o que é que o traz, hoje, cá à Murtosa?
– Vim à Câmara tratar duns assuntos.
–Oiça lá, você é capaz de contar a estes meus dois amigos aquela, quando foi aos patos e apanhou uma caldeirada.
– Pois é verdade; tinha aberto a caça na Ria e eu fui dar uma volta a ver se matava algum pato distraído. Apareceu-me uma vala mais funda do que eu pensava e, ainda por cima, com o fundo mole.

Atolei-me, fiquei com água pela cintura e vi-me à rasquinha para sair. Quando cheguei ao outro lado, sentei-me, tirei uma das botas de água altas e, quando a vazei, caiu uma data de enguias e a outra ainda tinha mais. Então,pensei cá para mim: Eh Manel, estás todo molhadinho, mas tens uma boa teca de enguias; deixa lá os patos, por hoje, que amanhã também é dia; vai mas é para casa secar-te, à lareira, e amanhar as enguias.
– E a do coelho, no pinhal perto de sua casa?
– Estás enganado, rapaz, não foi um coelho, foi uma lebre.

Cheguei a casa, perguntei à mulher o que era o jantar e ela disse-me que era escoado. Estava-me mesmo a apetecer um coelhinho ensopado. Peguei na arma, mas vi que não tinha nem um cartucho carregado. Fui buscar o material; pólvora e buchas havia, mas chumbo nem vê-lo. Mas eu estava cismado no raio do coelho. Veio-me então à cabeça que tinha em casa uma mão cheia de tachas. Fui buscá-las e carreguei uns cartuchos com elas. Se se espetavam na madeira também se haviam de cravar na carne, que é mais mole.

Quando ia a chegar ao pinhal, vi uma lebre que andava numas couves de uma vizinha. Aproximei-me devagar, mas quando me pressentiu, fugiu a caminho das árvores. O tiro era comprido, mas a minha espingarda era para a caça da Ria e tinha os canos muito longos e bem chocados. Apontei-lhe e disparei, quando ela ia mesmo a chegar ao primeiro pinheiro, onde ficou pregada, com as tachas, pelas orelhas. Era cá um chibarro… tive que a pernar e amarrar ao cinto pelas patas traseiras e pelas mãos, se não tinha vindo com as orelhas a roçar  pelo chão.
– Ti Manel, ainda tem aquela motorizada com que caiu à água?
– Então não havia de ter, homem! Já não se fazem máquinas como aquela e de motoretas sei eu. Mas eu conto que estes senhores não conhecem essa peripécia.
Nessa altura do campeonato, eu já era considerado um ouvinte e dos muito interessados.
– Ainda era de noite, a maré já vazava há mais de uma hora e eu ia com pressa, para o Bico, onde tinha amarrada a minha bateira, para ir ver se matava uns robalinhos. O nevoeiro era de cortar à faca, não se via um boi à frente dos olhos. E não é que, quando dei por ela, já tinha passado o  fim do cais e estava chapado na água.

Não havia ninguém por ali e eu também não fui procurar ajuda, porque não queria ser gozado; ainda haviam de passar a chamar-me o Manel Mergulhador. Fui buscar a bateira, sondei com a vara e depressa dei com a máquina. Despi-me, amarrei a ponta de um cabo na embarcação, meti-me à água com a outra ponta na mão, mergulhei um pouco, aos apalpões, ainda levei uma queimadela, quando toquei no escape, e amarrei o cabo ao quadro da motorizada. Vim para o cais e puxei-a para terra. Dei-lhe uma limpadela, a vela tinha um fiapo de moliço; sem querer carreguei no botão de arranque e não é que o motor pegou, logo à primeira! Grande máquina! Agora é tudo automático… modernices.

Para terminar este cacharolete de mentiras, mas ditas, convictamente, por um caçador, pescador e proprietário de uma oficina de duas rodas, numa vila próxima, narro outra história de caça contada por um atirador que só teria disparado em carreiras de tiro militares.

Durante anos, costumava encontrar-me com uns amigos que se juntavam num restaurante, que ainda hoje existe na minha rua, em Aveiro, mas com outras características, à volta da mesa baptizada do ”Molha o Bico ”. Eu, que jantava às sete, para tomar um café, eles, que comiam às oito e meia, para beber um copo como aperitivo, todos, para confraternizar.

Um dia, apareceu, para encomendar um jantar de perdizes, uma pessoa com quem mantive variados contactos a nível profissional e não só, falecida há alguns anos. Falou-se, como seria inevitável, de perdizes; e o proprietário do restaurante, grande caçador e óptimo cozinheiro de espécies cinegéticas e de pratos alentejanos, não perdeu a oportunidade de narrar como tinha dizimado um bando de perdizes, de pouso a pouso, em terras de além Tejo. O predito meu conhecido, a certa altura, disse:
– Eu, o maior número de perdizes que matei, com um tiro, foram onze.
– Como foi isso? – perguntou o Mestre Cuca, pensando que se tratava de uma piada, mas tendo, logo, entendido, pelo meu discreto piscar de olho, que era algo diferente.
– Ora bem; eu ia por um carreiro e vi uma data de perdizes a comer, ao longo de um rego de arado, umas do lado esquerdo, outras do direito, todas com as cabeças viradas para dentro; apontei ao meio e matei-as todas. Meus senhores, boa noite. Para a semana, cá estarei com cinco amigos para comermos as perdizitas estufadas.
Após a partida, o meu amigo caçador-cozinheiro desabafou:
– Então eu que passei grande parte da minha vida atrás das perdizes, era considerado um bom atirador e só fiz três dobles (duas perdizes com um tiro) e tive que ouvir esta mentira calado como um rato. Raios me partam se não estive quase a perder a cabeça e um bom cliente!

O narrador-testemunha, a quem o pai ofereceu uma pressão de ar, Diana 25, de cano estriado, quando fez o 2.º ano do Liceu, embalado por todos estes exageros, sente-se tentado a participar na última historieta, dizendo, no final, ainda que fugindo, pela única vez, à verdade histórica:
– Tem piada que já me aconteceu uma coisa parecida, mas só matei dez: o perdigão fugiu com a perdiz e só os pus abaixo com o segundo cano.

Diamantino Dias.

* Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, Estudos Portugueses e Franceses, Técnico Superior Assessor Principal da Câmara de Aveiro – reformado (página do autor em Aveiro e Cultura)

 

 

Publicidade, Serviços & Donativos