Beira-Mar: Presidente Adjunto explica saída de Ricardo Sousa / Sucessor é para ‘acertar’ nas próximas horas

5588
Hugo Coelho, presidente do Beira-Mar, à esquerda.
Dreamweb 728×90 – Video I

O Beira-Mar anunciará a qualquer momento o substituto de Ricardo Sousa no comando técnico da equipa que disputa o Campeonato de Portugal.

Cílio Sousa, treinador adjunto, orientou o treino matinal, e vai ser, tudo indica, o único elemento da equipa técnica a continuar. Fabeta, que era primeiro adjunto, continuará como coordenador geral e na academia.

“Não íamos tomar esta decisão sem reflectir muito, estava em cima da mesa. O Ricardo estava alertado para a necessidade dos resultados aparecerem, sob pena de ser preciso assumir o ónus. Tínhamos planos A e B. Em breve, vai ser apresentado o novo treinador, não está ainda fechado”, afirmou Afonso Mirada, o presidente adjunto (à direita na foto, com o presidente Hugo Coelho).

O eleito terá de ser alguém “conhecedor do campeonato e da realidade do Beira-Mar, que poderá vir a provar enquadrar-se na nossa estratégia futura, o que depende muito do que poderão ser os próximos três jogos”, acrescentou o dirigente responsável pelo futebol sénior.

A direção do Beira-Mar provoca, assim, “um agitar de águas” na tentativa de garantir o acesso aos play off, esperando que a ‘chicotada psicológica’ possa “desbloquear” a equipa.

Discurso direto

» “É uma mudança pacífica. Os resultados não aparecendo… Temos seis jogos pela frente. A saída deve-se exclusivamente aos resultados que a equipa teve nos últimos dez jogos. Ganhámos ao último, ao penúltimo e ao S. João de Ver, com 30 minutos da primeira parte em que podíamos estar a perder por mais de 1-0. Não houve qualidade de jogo. Acabámos por não mostrar nada nos últimos largos jogos e os resultados não apareceram. Tínhamos confiança no trabalho do Ricardo, mas é futebol, não podíamos mandar a equipa embora. Tínhamos de fazer alguma coisa, para não continuar na espiral negativa, mudando pretendemos agitar águas, a ver se invertemos a tendência”;

» “Se ganhássemos ao Águeda, podíamos ficar mais perto do quinto lugar, mas já tivemos essas segundas vidas algumas vezes ao longo deste ano. Tivemos, felizmente, alguma sorte, ou não, com adversários mais acima, que perderam alguns pontos. Seria um virar de página após o S. João de Ver, como foi quando viemos do Covid… Mas perdemos dois jogos seguidos com jogadores mal fisicamente, não é admissível.”

» “O Beira-Mar tem as melhores condições de treino e recursos humanos desta série. Com todo o respeito para com os outros clubes, como o Canelas e o Anadia. Treinamos em três relvados, temos preparador físico, nutricionista, médico. Faltará dinheiro para pagar eventualmente a melhores jogadores. Mas acho que os 24 que temos aqui são provavelmente melhores que outras equipas acima de nós. O grupo de trabalho é bom, tem de voltara ter confiança e perceber que há meses atrás ganhámos alguns jogos seguidos e estávamos lá em cima. O treinador que vier não faz milagres se os jogadores não quiserem. O plantel está fechado, é com estes que acreditamos que vamos atingir os cinco primeiros”.

Artigo relacionado

Ricardo Sousa deixa comando técnico do Beira-Mar

Publicidade, Serviços & Donativos