Beira-Mar atolou em Lamas movediças

2209
Beira-Mar - União de Lamas.

O Beira-Mar não foi além de um empate sem golos, esta tarde, na receção ao União de Lamas, a contar para a 16ª jornada, quebrando uma série de 12 vitórias consecutivas.

Ficha e vídeo

Os aveirenses lideram o campeonato agora com 41 pontos, alargando a diferença para o Bustelo, que perdeu 2-1 em São João de Ver.

O nulo acaba por premiar a equipa treinada por Ricardo Suiço, que viu a sua muralha defensiva aguentar bem as esperadas investidas locais e dispôs ainda um meio campo muito ativo, provocando várias perdas de bola do lado contrário.

O segundo empate do Beira-Mar explica-se pela falta de eficácia em lances capitais, e foram os locais a dispor de mais oportunidades, mas não só: a equipa ‘carburou’ abaixo do que é habitual, ressentindo-se muito no ataque da ausência de Artur, por castigo.

Os primeiros 45 minutos, apesar do mau estado do relvado, mostraram melhor futebol de parte a parte.

Rodrigo, chamado à titularidade no onze aveirense, dispôs de duas boas oportunidades logo no início. Um remate à ‘queima roupa’ e um desvio de cabeça. Em ambas, mas especialmente na segunda, pela dificuldade, mérito para o guarda redes João Borges, que viria a ser um dos melhores em campo.

Aos 18 minutos, João Dias, do ‘meio da rua’, quase sem preparação, tentou surpreender Maringá, mas viu a bola desviada pela trave, a grande ocasião dos forasteiros, que estiveram melhor a defender do que a atacar.

Perto do intervalo, Mathieu, correspondeu, em bom estilo, de cabeça, a um cruzamento de Ricardo Ferreira que fez a bola sair muito próximo da trave da baliza do Lamas.

O Beira-Mar entrou na segunda parte muito desconcentrado e a facilitar a tarefa da adversário, taticamente muito rigoroso, bem a anular os jogadores da casa que podiam fazer a diferença e ainda com algum atrevimento no ataque. Rui João, a cruzamento da esquerda, rematou bem, colocando a defesa em sentido.

Foi preciso esperar até à entrada do últmo quarto de hora para os aurinegros darem um ar da sua graça. Aparício, num lance individual, pela esquerda, vai à linha de fundo e cruza atrasado para Alex que remata de primeira, sem acertar no alvo.

O ‘tudo por tudo’ do Beira-Mar, já com o ataque revigorado pelas entradas de Bruno e Vando, acabou, desta vez, por não ter um final feliz, apesar do apoio do público, não se confirmando a tradição de em dia de festas de São Gonçalinho, o santo padroeiro das gentes da Beira Mar, a equipa de Aveiro vencer.

Declarações

“O resultado acaba por se ajustar. Demonstrámos aqui que não somos inferiores ao Beira-Mar. Em termos de oportunidades de golo, as coisas repartiram-se. O Beira-Mar criou grande parte delas em bola parada. Mas fizemos um jogo muito competente, em termos defensivos e ofensivos. Defrontámos uma grande equipa. Temos de aceitar o resultado, que foi justo, apesar de tudo. Queríamos ganhar, mas aceita-se. Temos de nos focar em ganhar os nossos jogos” – Ricardo Suiço (treinador do União de Lamas).

“Foi um bom jogo, com muita qualidade para esta divisão, de ambas as partes, as duas equipas queriam vencer. O jogo foi muito repartido, mas a nível de ocasiões flagrantes nós tivemos três. A pouca eficácia foi decisiva. Sabíamos que o importante é ir amealhando pontos para acabar em primeiro – Cajó (treinador do Beira-Mar).