Aveiro: PS garante “total liberdade” dos seus eleitos para intervir e discutir

563
Vereador Manuel Oliveira de Sousa (PS), ao centro.
Smartfire 728×90 – 1

A concelhia do PS insurgiu-se contra as declarações do presidente da Câmara na última reunião da Assembleia Municipal, que acusou a liderança local de impor ‘a lei da rolha’ aos seus eleitos.

Uma crítica feita na discussão do contrato de delegação de competências nas Juntas de Freguesia.

O PS nega que a ausência de intervenções da sua bancada tivesse sido imposta. “Num partido onde os presidentes de Junta votam em total liberdade sobre as matérias que dizem respeito ao seu exercício, onde a bancada discute, afirma os seus pontos de vista e vota em consonância com o que os aveirenses anseiam ou propõem, vem, escandalizado, constatar que há uma rolha?!”, refere uma nota divulgada este sábado.

Os socialistas devolvem a crítica à coligação: “”Milhares de aveirenses têm uma rolha guardada para tapar, em devida altura, um ciclo de silenciamento, de ameaças, de anulação das vozes das pessoas, sobretudo os que mais precisam: serviço de transportes públicos, recolha de lixo, passeios, habitação acessível, IMI mais baixo, resolução dos seus problemas em tempo útil, qualidade de vida no dia-a-dia”.

Artigo relacionado

Aveiro / Assembleia Municipal: Ribau acusa PS de “arrolhar” eleitos no debate dos apoios às freguesias

Publicidade, Serviços & Donativos