André Nogueira chuta para fora do campo a “pressão” de vencer em Carregosa

735
André Nogueira, Beira-Mar.
Smartfire 728×90 – 1

A poucas horas do embate em Carregosa, esta quinta-feira (16:00), André Nogueira garante que “a equipa está tranquila e bastante confiante”.

“Sabemos que é o jogo onde podemos alcançar o grande objetivo da época, mas esse facto não nos deixa mais pressionados”, assegura o experiente lateral direito que tem figurado entre os jogadores mais utilizados esta época pelo Beira-Mar (29 jogos, dois golos).

“É compreensível” que, sabendo-se que uma vitória nos próximos 90 minutos faz a equipa regressar aos ‘nacionais, “possa haver aqui ou ali alguma ansiedade”. Mas o jogador bairradino de 32 anos que fez grande parte da formação no Sporting “tem a certeza que, quando o jogo começar, vai acabar por desaparecer.”

De resto, o encontro com o Carregosense foi “preparado da mesma forma que qualquer outro” e como tal irá ser abordado “para vencer como fizemos sempre até aqui”.

“A responsabilidade é a mesma quando se joga neste clube”, refere André Nogueira que teve uma primeira passagem pelo Beira-Mar nas épocas de 2013-2015, esta última marcada pela despromoção administrativa e queda nos distritais.

“Durante todo o campeonato sempre que o Beira-Mar entrou em campo o pensamento foi sempre o de vencer, por isso o cenário de festa que se possa estar a preparar não influenciará negativamente o rendimento”, insiste o jogador que antes de regressar a Aveiro onde cumpre a segunda época, alinhou no Anadia e no Águeda no Campeonato de Portugal (CdP).

Discurso direto

“Vivenciei de perto talvez a pior fase de sempre do clube. Ainda assim, e em termos pessoais, sentia que devia algo ao Beira-Mar pois foi aqui que tive a oportunidade de jogar num campeonato profissional. Quando surgiu a hipótese de voltar, embora tivesse outras propostas, não hesitei em voltar. A partir do primeiro dia que o meu objetivo sempre foi o de ajudar o clube a voltar aos campeonatos nacionais. Hoje o clube tem uma excelente estrutura que soube dar os passos certos no sentido de levantar este grande clube que é o Beira-Mar”.

“Em termos competitivos, o CdP é um campeonato exigente. Há muita incerteza no resultado final em praticamente todos os jogos. Embora o campeonato distrital seja um campeonato também competitivo, há quase sempre 3 ou 4 equipas que acabam por se destacar de todas as outras. No CdP é difícil encontrar essa diferença pontual entre as equipas”.

“O Beira Mar será o clube com mais historial no CdP na próxima época, isso é inegável! Como tal será sempre visto como a equipa a que todos querem ganhar. Por outros será visto como candidato a subir. Na minha opinião o Beira-Mar terá que se adaptar a uma nova realidade competitiva, e cimentar uma posição no mesmo, com uma estrutura sólida e um plantel equilibrado e conhecedor da realidade do clube. Depois durante a época os resultados ditarão quais os objetivos a serem alcançados.”

“Em relação à minha continuidade, não escondo que gostaria de continuar a ajudar o clube, mas será algo que juntamente com a direção haveremos de decidir a seu tempo”.

Gostaria de pedir aos adeptos que apareçam em massa no jogo de amanhã, pois com a ajuda de todos será mais fácil e também porque acho que todo o grupo merece o vosso apoio! A festa será mais bonita, com quantas mais pessoas estiverem”.

Artigo relacionado

“Não vamos hipotecar nada do trabalho que temos feito” – Afonso Miranda

Publicidade, Serviços & Donativos