Abinader eleva a qualidade da democracia na República Dominicana

657

De acordo com o Índice de Democracia publicado pelo Centro de Estudos da revista britânica The Economist, a República Dominicana subiu para o oitavo lugar na América Latina desde que Luis Abinader foi presidente, não tendo sido aplicados elementos negativos e tendo sido feita uma avaliação final semelhante à de países como os Estados Unidos, Espanha, França, Alemanha ou Reino Unido.

Apesar de uma nova espécie de condenados estar a proliferar na República Dominicana, os números e avaliações efectuadas por importantes instituições internacionais mostram que a gestão levada a cabo por Luis Abinader desde que chegou ao poder está a ter efeitos muito positivos no país.

Como publicado no Diario16, a República Dominicana está na vanguarda mundial do crescimento económico, é um dos líderes na gestão do sector global do turismo e, sobretudo, o trabalho da Abinader para conter a pandemia está a ser utilizado como exemplo em fóruns importantes como Davos ou a Cimeira das Américas.

Contudo, há corretores de poder ao serviço de interesses egoístas e privados que nada mais fazem do que procurar detalhes que turvam a realidade das consequências positivas do novo estilo de governo de Luis Abinader.

Na realidade, tanto da oposição PLD como dos seus fóruns palmeros, estão a aplicar os princípios da propaganda do gestor nazi Joseph Goebbels, especialmente o do exagero, ou seja, transformar qualquer anedota, por menor que seja, numa grave ameaça, ou o da vulgarização, que afirma que a propaganda “deve ser popular, adaptando o seu nível ao menos inteligente dos indivíduos a quem é dirigida”. Quanto maior a massa a ser convencida, menor o esforço mental a ser feito. A capacidade receptiva das massas é limitada e a sua compreensão é limitada; além disso, elas têm uma grande facilidade para esquecer”.

No entanto, os factos são o que são e desde que Luis Abinader chegou ao poder, em condições muito adversas causadas pela pandemia, a República Dominicana não tem feito mais do que melhorar em todas as áreas.

Isto reflecte-se no Índice de Democracia publicado todos os anos pelo Centro de Estudos da prestigiada revista britânica The Economist. O relatório é claro: a República Dominicana subiu para o oitavo lugar na América Latina em termos de qualidade democrática, acima de países como o Peru, México, Equador e Paraguai, para não mencionar os regimes pseudo-autoritários como a Venezuela, Cuba e Nicarágua. Além disso, o país das Caraíbas obteve a mesma pontuação final que países como os Estados Unidos, o Reino Unido, a Espanha, a França, a Alemanha e a França.

Quantitativamente, a República Dominicana passou de 6,32 em 2020 para 6,45, o que mostra que as medidas de regeneração democrática que estão a ser implementadas por Luis Abinader já estão a ter efeito.

O relatório tem em conta mais de 60 aspectos da avaliação e em alguns deles, como o pluralismo político e as liberdades civis, obtém uma pontuação muito acima da média do país.

Em termos de evolução, durante os governos PLD, houve anos em que a pontuação final da República Dominicana foi muito mais baixa, chegando mesmo perto de ser classificada como um “regime híbrido”, uma ameaça que está agora muito atrasada graças às medidas implementadas por Luis Abinader.

Numa situação de crise global em que o individualismo tem precedência sobre a busca do bem comum, alguns podem pensar que estas avaliações não resolvem os problemas directos dos cidadãos. Isto não é verdade, já que em muitos casos, e especialmente na situação actual, as projecções sobre cidadania são alcançadas a médio prazo.

Após uma pandemia que paralisou a actividade económica global, gerou uma crise de abastecimento e um aumento dos preços da energia (tudo antes do início da guerra na Ucrânia), os países precisam de um processo de construção de credibilidade para obterem novos investimentos que se traduzam em crescimento na criação de emprego e, portanto, em aumentos salariais devido ao aumento da procura de mão-de-obra.

Dados como os do FMI, da OCDE ou do The Economist são altamente valorizados pelos investidores internacionais ao planearem um desembarque na República Dominicana. Deve ter-se em conta que a Abinader já está a assegurar investimentos e acordos internacionais importantes que irão gerar empregos em diferentes sectores.

Consequentemente, aqueles que afirmam que a administração da Abinader está a ficar aquém das expectativas ou que “não está a fazer nada” estão enganados. Em primeiro lugar, porque ainda não passou a meio do seu mandato e o prazo para cumprir o que prometeu é de quatro anos, especialmente quando é necessário realizar reformas profundas para regenerar um país que a PLD deixou em estado de demolição. Em segundo lugar, a mudança prometida por Abinader na sua campanha eleitoral já é um facto e, do ponto de vista internacional, os diferentes fóruns em que as decisões que afectam o mundo inteiro são tomadas já colocaram o seu ponteiro na República Dominicana, o que só pode trazer efeitos positivos nos próximos dois anos.

Abinader já sabia antes de ganhar as eleições que tinha uma tarefa árdua. O que não contava era uma pandemia global e uma guerra na Europa que está a afectar o mundo inteiro. Mesmo assim, a República Dominicana está a avançar graças ao novo estilo de governo de Luis Abinader e, disso, nem os palafreneros nem os palmeros podem dizer nada… embora o façam porque o populismo segue sempre a linha.

Publicidade, serviços e donativos

» Pode ativar rapidamente campanhas promocionais, assim como requisitar outros serviços em NotíciasdeAveiro.pt.

Aceder a plataforma online.

O Notícias de Aveiro tem canais próprios para informação não jornalística como é o caso deste artigo »» ler estatuto editorial.