AAUAv reivindica “medidas concretas” para travar abandono escolar

888
Universidade de Aveiro.
Comercio 780

A Associação Académica da Universidade de Aveiro (AAUAV) associa-se, esta quinta-feira, às comemorações do Dia Nacional do Estudante que, este ano, pretendem alertar, em especial, para o fenómeno do abandono escolar, exigindo medidas de apoio aos alunos (com declarações vídeo).

A reivindicação expressa pelo ensino superior, através do movimento ‘Académicas’, um grupo de nove associações de estudantes que, para além das ações em cada uma das universidades, e organiza também uma concentração em Lisboa, junto à Assembleia da República.

Este ano, evocam-se os 60 anos da “crise académica de 1962” que eclodiu na Cidade Universitária de Lisboa após a proibição das comemorações do Dia do Estudante pelo Estado Novo.

Tal como na altura, Wilson Carmo, presidente da AAUAv, defende que é necessário “continuar a dar voz aos estudantes” para melhorar o ensino superior de forma a enfrentar “algumas problemáticas”, como o caso do abandono escolar.

Depois da pandemia, estudos nacionais indicam que 45% dos alunos terão de alguma forma ponderado desistir. 1 a 2 %, consumaram essa decisão, deixando os cursos. As razões são várias, económicas desde logo mas também pessoais.

O regresso do ensino presencial trouxe “pressão social e os problemas mentais aumetaram bastante”, referiu o presidente da AAUAV, retomando um alerta deixado aquando da tomada de posse.

Artigo relacionado

Nova direção da AAUAv pede atenção especial ao “sofrimento psicológico” dos estudantes

Uma “temática” que os estudantes querem “discutir para começar a combater”, aproveitando o Dia do Estudante para deixar nota reivindicativa de algumas “soluções para evitar este pensamento de abandono escolar”.

Em Aveiro, “não há um estudo local” do fenómeno, mas a AAUAv recebe sinais que “pensar ou mesmo abandonar efetivamente o ensino está mais constante” na mente de estudantes, sendo necessário “abordar o tema para que os casos não se agravem” (declarações em vídeo).

Os alunos internacionais são dos mais sensíveis, por necessidade de adaptação ao país e a planos curriculares que podem ser bastante diferentes, além de aspetos sócio económicos que levam a ter de trabalhar em paralelo, por exemplo.

O regresso ao ensino presencial trouxe uma “pressão psicológica” aos alunos que estiveram remetidos ao estudo à distância.

O presidente da AAUAv pede também mais “inovação pedagógica no ensino superior”, mantendo um debate com a participação de alunos, para garantir que os cursos vão ao encontro das expetativas e sejam mais flexíveis nas opções curriculares.

Sobre a manutenção do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior no novo Governo, Wilson Carmo mostra-se satisfeito. “Agrada bastante, o ensino superior por si já sofre de sub financiamento crónico. Tínhamos muito receio que se mantivesse e agravasse. Não estávamos a ver para onde iria a investigação e a ciência ? Para a Economia ? Acreditamos que iria desvirtuar ainda mais o conceito e perdermos financiamentos”.

Publicidade, serviços e donativos

» Está a ler um artigo sem acesso pago. Faça um donativo para ajudar a manter o NotíciasdeAveiro.pt de acesso online gratuito;

» Pode ativar rapidamente campanhas promocionais, assim como requisitar outros serviços.

Consultar informação para transferência bancária e aceder a plataforma online para incluir publicidade online.

Comercio 780