A pobreza não é culpa nem é desculpa

632
Solidariedade (imagem genérica).
Comercio 780

É já habitual surgirem com grande impacto mediático visões e expressões culpabilizantes que apontam responsabilidade pessoal a quem está na pobreza, seja àqueles que já nasceram nessa situação e dela não saíram, seja àqueles outros que, tendo tido uma vida socioeconomicamente equilibrada, foram empurrados para a pobreza e para a exclusão social por acontecimentos inesperados tais como a doença incapacitante, o desemprego prolongado, a inflação acelerada.

Por João Maia Marques *

Com a difusão de tal tipo de avaliação e da correspondente pressão comunicacional, os seus proponentes e defensores pretendem reprovar os orçamentos públicos aplicados nas políticas sociais referentes à luta contra a pobreza e a exclusão social, e igualmente inibir a vontade e limitar a ação de pessoas e de organizações que procuram restaurar e manter a dignidade humana das pessoas pobres.
Colateralmente, pessoas psicologicamente menos bem estruturadas chegam a desenvolver sentimentos de culpa pela situação de pobreza em que se encontram, ficando ainda mais fragilizadas e tornando ainda mais complexa e mais custosa a sua recuperação pessoal e social.

Para justificar a falta de propostas e a ausência de medidas concretas e de ações práticas, os estudiosos e os decisores políticos invocam desculpabilizantes complexidades extremas da matéria usando a pobreza como um conceito, como uma noção abstrata.
Nesse âmbito, procuram segmentar, e catalogar, e quantificar casos avulsos de diversas origens e com diferentes características, para assim tipificarem e elencarem numerosos grupos sociais, coesos nas suas vulnerabilidades.

Como se esperaria, a diferentes promotores correspondem diferentes tipificações, e cada promotor defende a sua como a única base incontroversa para as imprescindíveis medidas a tomar no combate à pobreza. Infelizmente, tão laborioso trabalho desenvolve-se subalternizando – ou mesmo relegando para o esquecimento – a evidência insofismável de que a pobreza é constituída por pobres e que cada pobre é, de facto, uma pessoa situada em si mesma e condicionada pelas suas passadas e presentes circunstâncias envolventes. E isso é o facto primordial.

Sem culpa nem desculpa, ajamos nós considerando esse facto em relação a quem vive na nossa proximidade.

* Fórum da cidadania de Aveiro contra a pobreza / EAPN.

Publicidade, serviços e donativos

» Está a ler um artigo sem acesso pago. Faça um donativo para ajudar a manter o NotíciasdeAveiro.pt de acesso online gratuito;

» Pode ativar rapidamente campanhas promocionais, assim como requisitar outros serviços.

Consultar informação para transferência bancária e aceder a plataforma online para incluir publicidade online.

Comercio 780