UA na fronteira da exploração do mar profundo

408
Investigação de recursos marinhos.
Smartfire 728×90 – 1

Batizado de Challenger 150, em alusão ao Challenger Deep, o ponto mais profundo do planeta, um novo programa com cientistas de todo o mundo propõe trazer à superfície o conhecimento escondido no fundo dos oceanos.

Ao leme, a bióloga Ana Hilário, da Universidade de Aveiro (UA), quer tornar o Challenger 150 numa referência da Década da ONU da Ciência do Oceano para o Desenvolvimento Sustentável.

Continuar a ler artigo do site UA.pt.

Publicidade, Serviços & Donativos